“País está chocado com o desplante com que Joe Berardo respondeu no Parlamento” sobre dívidas à CGD, diz António Costa

António Costa disse no Parlamento que todo o país está "chocado" com o "desplante" de Joe Berardo perante a comissão de inquérito à Caixa. Presidente da República pediu "decoro" e "respeito".

António Costa disse no Parlamento que todo o país está “chocado” com o “desplante” de Joe Berardo perante a comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), onde o empresário madeirense disse não ter dívidas à banca nem sequer património em seu nome.

“Acho que o país está seguramente todo chocado com o desplante com que o senhor Joe Berardo respondeu na semana passada na Assembleia da República”, disse o primeiro ministro durante o debate quinzenal.

“Não me competindo falar sobre as anteriores gestões da Caixa, o que posso dizer é que atual gestão acionou o senhor Berardo para pagar à Caixa o que deve à Caixa. Não há razão para que a CGD perdoe o crédito“, acrescentou António Costa em resposta às questões colocadas por Catarina Martins, do Bloco de Esquerda, sobre a razão pela qual o Governo abdicou da opção de compra sobre a coleção Berardo.

“Não temos qualquer informação sobre a penhora. O protocolo mantém que o Estado mantém a opção de compra“, garantiu António Costa.

Catarina Martins insistiu. O protocolo pode manter a opção de compra, mas aquando da renovação do contrato deixou uma cláusula que estabelecia o preço do exercício de compra, de 316 milhões, e Joe Berardo pode pedir o dinheiro que quiser pela coleção, acusou a coordenadora do Bloco. “Agora estamos nas mãos de Berardo”, disse a deputada.

“O que o protocolo prevê é que obviamente o preço não é fixado unilateralmente por Joe Berardo, ou melhor, pela Associação detentora das obras da chamada coleção Berardo… não queria agora imitar Ricardo Araújo Pereira. A cláusula sexta define bem os critérios objetivos pelo qual será determinado preço do exercício dessa opção”, explicou o chefe do Governo.

Para António Costa, é incompreensível como foi possível os bancos (e nomeadamente a Caixa) terem aceitado como garantia títulos da Associação Coleção Berardo e não as obras que compõem a coleção. Virando-se para Catarina Martins, Costa demonstrou o mesmo espanto. “Como é possível a CGD e outros bancos terem aceite uma forma tão original e peculiar de retirar do património do devedor os bens que são garantia do cumprimento das suas obrigações? Se é uma dúvida legítima para qualquer cidadão, para um jurista é uma dúvida acrescida e é incompreensível como é que foi possível”, afirmou.

O primeiro-ministro referiu ainda que é preciso separar a relação entre Joe Berardo e a Caixa e a relação entre Estado português e a Associação Coleção Berardo, que é a dona das obras de arte.

Ainda assim, sublinhou que “se o titular das obras deixar de ser esta associação, porque a CGD ou qualquer outra entidade credora conseguir demonstrar que aqueles bens não são bens da Associação, mas são bens que devem estar afetos à garantia do cumprimento das obrigações e houver uma alteração da titularidade, este contrato transmite-se também e o diálogo deixa de ser com o senhor Joe Berardo e passa a ser com quem tiver executado e tiver transferido para o seu próprio património essas ações”.

De acordo com a EY, duas sociedades ligadas a Joe Berardo (a Metalgest e a Fundação Berardo) deviam à CGD mais de 300 milhões de euros no final de 2015. Metade deste valor tinha sido dado como perdido pelo banco público.

Na passada sexta-feira, o comendador disse aos deputados da II comissão de inquérito à recapitalização da CGD e aos atos de gestão que “pessoalmente” não tinha nenhuma dívida e também rejeitou que vários bens que lhe são associados, como a Quinta da Bacalhôa ou o apartamento onde vive em Lisboa, sejam efetivamente seus. Depois, também se riu à frente dos deputados quando lhe perguntaram se deixaria de mandar na Associação Coleção Berardo caso os bancos credores executassem os títulos de participação. Joe Berardo também disse que alterou os estatutos da associação em 2016 para proteger a coleção de arte, numa decisão que os deputados consideraram ser “uma golpada”.

“É preciso decoro”, diz Marcelo

Comentando o caso Berardo, mas sem se referir diretamente ao comendador, o Presidente da República pediu “decoro” e “respeito às instituições” por parte de quem assume posições de maior relevo na sociedade.

“A responsabilidade é maior quanto maior for o relevo de quem desempenha ou desempenhou posições de destaque na sociedade portuguesa (…). É preciso ter noção da responsabilidade perante a sociedade e na forma como se relaciona com as instituições. Tem de se respeitar as instituições, ter decoro, ter uma maneira respeitosa de tratar essas instituições“, referiu Marcelo Rebelo de Sousa.

“Quando isso não acontece, o juízo dos concidadãos é negativo porque sentem que alguém que tinha sido considerado um exemplo de repente fica aquém daquilo que os portugueses exigem em termos de responsabilidade”, acrescentou.

(Notícia atualizada às 16h58)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“País está chocado com o desplante com que Joe Berardo respondeu no Parlamento” sobre dívidas à CGD, diz António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião