Auditora avisou em 2008 que as garantias de Berardo não chegavam

  • ECO
  • 26 Abril 2019

A auditora Deloitte fez avisos repetidos, desde 2008, à Caixa Geral de Depósitos que as garantias dadas por Joe Berardo para cobrir os empréstimos do empresário madeirense não chegavam.

A auditora da Caixa Geral de Depósitos avisou a administração do banco público em 2008 que as garantias dadas por Joe Berardo para conseguir os créditos pediu desde 2006 não chegavam para cumprir as responsabilidades assumidas, noticia o Jornal de Negócios (acesso pago).

A Deloitte entregou à administração da CGD, na altura liderada por Faria de Oliveira, e ao Banco de Portugal, o alerta de que em algumas situações “os rácios de cobertura não estavam a ser cumpridos”, diz o jornal citando o próprio documento.

Joe Berardo usou pelo menos parte dos empréstimos para comprar ações do BCP, ações que por sua vez usou como garantia para cobrir os empréstimos junto da CGD.

De acordo com o relatório, as garantias dadas — ou seja, o valor das ações do BCP — cobriam apenas 256,3 milhões de euros do empréstimo de 361,6 milhões de euros. Ou seja, cerca de 30% do empréstimo, ou 105 milhões de euros, não estavam cobertos pelas garantias dadas pelo empresário madeirense.

A Deloitte terá repetido os avisos em 2010 e em 2011, por exemplo.

Comentários ({{ total }})

Auditora avisou em 2008 que as garantias de Berardo não chegavam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião