CGD, BCP e Novo Banco avançam com processo contra Joe Berardo

  • ECO
  • 8 Abril 2019

O BCP, o Novo Banco e a Caixa Geral de Depósitos vão avançar pela via judicial de modo a tentar liquidar pelo menos uma fatia dos 980 milhões de euros em dívida por Joe Berardo.

O BCP, o Novo Banco e a Caixa Geral de Depósitos vão avançar com um processo judicial contra o empresário madeirense Joe Berardo, de modo a tentar liquidar uma fatia dos 980 milhões de euros em dívida, avança o Correio da Manhã (acesso pago), esta segunda-feira. Isto depois do acordo para a liquidação dos créditos falhado, no início deste ano, e das negociações subsequentes não terem chegado a bom porto.

Do lado da banca, a proposta centrava-se nas obras de arte que integram a coleção de Berardo, apesar da avaliação da sua avaliação levantar dúvidas. Perante a recusa do empresário, os três bancos optaram, contudo, por seguir pela via judicial, numa estratégica com elevados riscos associados. Trata-se de uma “operação kamikaze”, considerou o antigo presidente do conselho fiscal do banco público Eduardo Paz Ferreira.

A estratégia jurídica que será agora seguida pelos bancos é a demonstrar que Joe Berardo é o último beneficiário das empresas que estão na sua esfera. De acordo com um parecer da Direção de Gestão de Risco do banco público, apenas foi detetada uma garagem no Funchal como património direto do empresário. Entretanto, o madeirense foi chamado a apresentar um aval pessoal de 38 milhões no banco público, mas vários relatos na comissão de inquérito já admitem que tal não acontecerá.

Ao Correio da Manhã, o advogado de Joe Berardo disse estar impedido de prestar declarações sobre as negociações com os bancos em questão. De notar, por outro lado, que as duas maiores fatias desta dívida estão no BCP e na CGD.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD, BCP e Novo Banco avançam com processo contra Joe Berardo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião