BRANDS' PESSOAS Inovar nos RH

  • BRANDS' PESSOAS
  • 17 Maio 2019

Design Thinking e Gestão de Recursos Humanos

Nas últimas décadas, são muitas as empresas que procuram compreender os seus clientes, desenhar experiências que aumentem o seu grau de satisfação e consequentemente, a sua fidelização. Neste exercício, as empresas investem recursos porque procuram um retorno imediato em termos de vendas, recomendações, notoriedade no mercado, etc. E todos concordamos que este esforço é necessário, porque o cliente (que por acaso somos todos nós) está mais exigente, com expetativas mais elevadas, e sobretudo, expetativas diferentes, que importa conhecer para poder “encantar”.

Mas, cada vez mais percebemos que o “eu cliente” é indivisível do “eu trabalhador”, do “eu família” ou do “eu social”. Na realidade, somos um só ser. E também percebemos que uma organização é um sistema complexo, composto por seres humanos, motivados por necessidades, perspetivas e emoções diferentes.

O desafio, hoje, é ser capaz de dar resposta à pergunta: Como podemos nós, profissionais de RH, desenvolver uma organização que satisfaça as necessidades dos colaboradores, promova a worklife integration, surpreenda e fidelize os clientes e dê resposta às exigências do negócio?

Hoje os colaboradores querem trabalhar em locais onde se sintam inspirados e reconhecidos, onde possam aprender e evoluir. Querem usar tecnologia intuitiva e ter processos de trabalho simples e descomplicados. Querem ter autonomia para decidir onde e como trabalhar, de modo a serem mais produtivos e sentirem que o seu trabalho acrescenta valor à organização.

Desenhar a Employee Experience (Experiência de Colaborador) tem de passar a ser um tema na agenda dos RH. Mas uma experiência memorável e relevante não acontece por acaso. Para desenhar a experiência de colaborador, customizada às pessoas e alinhada com a estratégia da organização, os RH precisam desenvolver competências de Design Thinking. São estas novas competências que lhes vão dar a inspiração para redesenhar o próprio ambiente de trabalho – Workplace, a forma como as pessoas trabalham e as ferramentas digitais que utilizam – Tecnologia, a forma como comunicam e interagem entre si – Cultura, bem como a forma como recrutam, treinam, desenvolvem o talento, envolvem e avaliam as suas pessoas.

Desenvolver os conhecimentos de Design Thinking, significa aprender a forma de trazer valor ao negócio e às pessoas. E isso só é possível quando o profissional de RH consegue ter uma visão holística da organização, quando faz uma pesquisa etnográfica para entender os desafios e as expetativas dos seus clientes internos, quando de forma empática entende os insights recolhidos, e quando se predispõe a trabalhar de forma colaborativa com todos para chegar a soluções inovadoras. E, por fim, quando é capaz de transformar estas ideias em ações concretas.

Ao envolver os clientes e os colaboradores na definição do problema e na co-criação de soluções, o Design Thinking enfatiza o comprometimento, o diálogo e o trabalho colaborativo, gerando um amplo compromisso com a mudança.

Venha conhecer mais sobre a abordagem do Design Thinking e entender o seu potencial e aplicação prática à Gestão de Recursos Humanos no próximo curso de Design Thinking para a Gestão de Recursos Humanos do CECOA que se realizará em Lisboa nos dias 16 e 17 de maio de 2019.

Para mais informações, contactar através do 213 112 400 ou do e-mail inova@cecoa.pt.

Carmen Almeida
HR Consultant |Design Thinking Facilitator |Employee Experience Designer | Formadora do CECOA

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inovar nos RH

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião