Tecnológicas arrastam Wall Street depois de restrições impostas à Huawei

O setor tecnológico regista perdas depois de serem anunciadas medidas que restringem a ação da Huawei. As bolsas norte-americanas prolongam as perdas sentidas nas últimas sessões.

Às preocupações com a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China junta-se agora o receio relativamente ao impacto das restrições impostas à Huawei nas empresas norte-americanas. Wall Street abre a sessão a prolongar as perdas já sentidas nas semanas anteriores, com o setor tecnológico a pressionar o desempenho das bolsas.

Depois de o Presidente dos EUA, Donald Trump, ter colocado a Huawei na lista negra das exportações, o que exige às empresas do país que obtenham licença para vender tecnologia crítica à tecnológica, a norte-americana Google cortou relações com a fabricante chinesa. A Google vai assim deixar de fornecer hardware, software e outros serviços técnicos à Huawei.

Perante estes desenvolvimentos, o tecnológico Nasdaq recuou mais de 1% no início da sessão. A Apple cai 3,64% para os 182,12 dólares, enquanto a Alphabet, dona da Google, desliza 2,03% para os 1.145,06 dólares. Os fornecedores da Huawei também ficam no vermelho nesta abertura, como a Qualcomm, que afunda 4,79% para os 77,60 dólares, e a Broadcom, que derrapa 5,44% para os 274,12 dólares.

Os restantes índices seguem também a desvalorizar. O industrial Dow Jones desce 0,42% para 25.655,31 pontos, depois de quatro semanas consecutivas de perdas, e o alargado S&P 500 segue as quedas e desliza 0,62% para 2.841,94 pontos na primeira sessão da semana.

A fabricante de aviões norte-americana Boeing recua 0,44% para os 353,47 dólares, depois de admitir que havia falhas no software de simulação que foi usado para reproduzir as condições de voo dos aviões 737 Max, que estiveram envolvidos em dois acidentes mortais nos últimos seis meses.

A contrariar esta tendência negativa encontra-se a telecom Sprint. Envolvida num negócio de fusão e aquisições com a T-Mobile, a empresa dispara quase 25%. Os títulos da empresa avançam 24,70% para os 7,70 dólares na abertura da sessão. A T-Mobile sobe também, 6,13% para os 79,99 dólares.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tecnológicas arrastam Wall Street depois de restrições impostas à Huawei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião