Startup portuguesa Aptoide “pode ser alternativa” à Google para a Huawei

  • ECO
  • 20 Maio 2019

A Aptoide aproveitou o corte da Google à Huawei para se posicionar como "alternativa" à loja de aplicações da multinacional norte-americana. Uma eventual parceria está em cima da mesa.

A startup portuguesa Aptoide garante que “pode ser alternativa” ao ecossistema da Google nos telemóveis da Huawei. A empresa “tem mantido contactos com a Huawei” e a decisão da Google de romper relações com a marca chinesa “pode vir a acelerar” uma eventual parceria favorável à startup portuguesa.

Apesar de ser improvável que a loja da Aptoide venha a servir de standard nos telemóveis da marca ao nível global, a empresa portuguesa poderia ser instalada de origem nos smartphones da Huawei, o que representaria uma significativa fonte de crescimento para a startup de origem nacional.

Contudo, segundo Álvaro Pinto, nada ficou fechado e o diálogo tem-se mantido aberto com a Huawei “há muitos anos”, explicou ao ECO o cofundador da Aptoide, na sequência da notícia avançada pelo Dinheiro Vivo, que indicou que as duas empresas já negoceiam uma parceria na sequência da decisão tomada pela Google este domingo.

A Reuters avançou que a Google cortou relações com a Huawei e vedou o acesso da marca a hardware, software e serviços técnicos, depois de o Presidente Donald Trump ter posto a tecnológica asiática na lista negra das exportações. A decisão da multinacional vai impedir que a Huawei use a popular loja de aplicações Google Play Store nos novos smartphones da marca.

A Aptoide é conhecida por ter criado uma loja de aplicações alternativa à da Google e por ter interposto uma providência cautelar à Google no âmbito de um processo em que acusa a multinacional de práticas anticoncorrenciais.

Contactada, a Huawei Portugal não foi imediatamente capaz de confirmar que tenha estado em negociações com a Aptoide, mas as duas empresas estão instaladas na mesma cidade chinesa, em Shenzhen, na província de Guangdong.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup portuguesa Aptoide “pode ser alternativa” à Google para a Huawei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião