Esta criptomoeda portuguesa já é uma das mais valiosas do mundo

A moeda virtual lançada pela empresa portuguesa Aptoide começou a ser transacionada na sexta-feira. Em 24 horas, ganhou um valor de mercado de 800 milhões de dólares. É uma das mais valiosas do mundo.

A moeda virtual AppCoins, lançada pela startup portuguesa Aptoide, chegou ao mercado na última sexta-feira e, em apenas 24 horas de negociação, tornou-se numa das 50 criptomoedas mais valiosas. A divisa chegou a registar um valor de mercado superior a 800 milhões de dólares e a valer 3,80 dólares cada moeda, dois meses depois de os primeiros tokens terem sido vendidos a dez cêntimos de dólar durante o Web Summit. Os ganhos potenciais dos investidores iniciais poderão ter chegado aos 3.700%.

O projeto da Aptoide, uma plataforma que permite criar lojas de aplicações para dispositivos Android, acabou por ter uma procura superior ao esperado, até pelos próprios responsáveis. “O facto de a AppCoins ter alcançado um valor de 800 milhões de dólares em 24 horas é um feito incrível”, reagiu o cofundador da empresa, Paulo Trezentos, numa série de mensagens publicadas no Twitter. “A nossa equipa está grata pela confiança dos investidores”, acrescentou.

Durante duas semanas, a contar a partir do Web Summit, a Aptoide vendeu os primeiros tokens de uma oferta total de 700 milhões de moedas a um preço geral de dez cêntimos de dólar. O câmbio fez-se em Ethereum, uma popular moeda virtual bem estabelecida no mercado. Com a pré-venda, a Aptoide angariou 1,8 milhões de dólares, como o ECO avançou em primeira mão.

A oferta pública inicial de moeda (ICO) arrancou pouco depois, a 13 de dezembro, a um preço inicial de 27 cêntimos de dólar, que variou consoante a valorização do Ethereum. Participaram cerca de 3.000 investidores. Na última sexta-feira, a moeda foi finalmente listada na corretora de criptomoedas Binance e as negociações passaram a ser permitidas. Para surpresa de alguns investidores, a divisa disparou para cerca de 3,80 dólares, alcançando o top 50 do WorldCoinIndex, um portal que se dedica a acompanhar o valor deste género de ativos. Ou seja, em 24 horas tornou-se uma das moedas virtuais mais valiosas do mundo em valor de mercado.

O pico de 3,80 dólares representou um ganho potencial de cerca de 3.700% para quem adquiriu tokens em novembro. Desde esta sexta-feira, porém, a moeda virtual tem vindo a corrigir o valor para um mínimo de 2,62 dólares, ainda assim uma valorização de 2.520% para quem investiu na pré-venda durante o Web Summit.

Especulação existe. Nesta e em todas as criptomoedas. Não é esse, na perspetiva da Aptoide, o objetivo fundamental de lançarmos esta moeda.

Álvaro Pinto

Cofundador da Aptoide

Esta segunda-feira de manhã, a AppCoins registava uma subida intradiária de 5,27%, para 2,85 dólares e um valor de mercado de 701,95 milhões de dólares. Estavam em circulação 246,2 milhões de moedas, com 117 milhões de moedas a trocarem de mãos na corretora Binance. Será uma das moedas com mais liquidez registadas na Binance. Os câmbios são feitos face à bitcoin e ao Ethereum e a Aptoide garante que está a trabalhar com outras corretoras para passarem a suportar a compra e venda desta moeda.

A AppCoins conta com um grupo no Telegram com mais de 8.000 pessoas e vários investidores têm demonstrado perplexidade com o disparo. Outros antecipam uma queda e afirmam que já trataram de vender as moedas na sua posse. Há ainda quem antecipe uma valorização até aos seis dólares por moeda antes de uma queda mais expressiva.

O objetivo da AppCoins, como o ECO explicou em novembro, é criar um protocolo de código aberto que permite remover os intermediários do processo de compra e venda de aplicações para smartphones. A moeda beneficia da vasta comunidade de utilizadores da Aptoide, que diz ser a terceira maior loja de aplicações do mundo, a seguir à App Store e à Play Store.

O facto de ser um projeto de código aberto permite que outras plataformas a utilizem como forma de transacionar valor. De qualquer forma, como todas as criptomoedas, as subidas e descidas da AppCoins estão sujeitas à especulação num mercado que, ainda para mais, não está sujeito a regulação. Apesar de sedeada em Portugal, a AppCoins foi lançada a partir da Singapura, um mercado já experiente neste tipo de operações.

“Correu muitíssimo bem”

Dos quase dois milhões de euros que a Aptoide levantou com a pré-venda de moedas, uma parte já foi convertida em dinheiro e a empresa já começou a investir para criar os produtos e serviços que servirão de base à AppCoins. Em conversa com o ECO, Álvaro Pinto, cofundador da Aptoide, reagiu a todo este processo: “O ICO e a nossa oferta destes tokens correu muitíssimo bem.”

“Tínhamos planeado um processo de ICO que duraria cerca de quatro semanas e atingimos o hard cap, o valor máximo que poderia ser levantado durante esse período, em uma semana. Portanto, correu em bom sinal do mercado de que havia interesse no nosso token e que ele faz sentido”, acrescentou. Neste momento, grande parte das subidas e descidas da moeda são fruto da especulação típica deste tipo de ativos, e que Álvaro Pinto também reconhece: “Especulação existe. Nesta e em todas as criptomoedas. Não é esse, na perspetiva da Aptoide, o objetivo fundamental de lançarmos esta moeda, como é óbvio. O potencial que vemos para a frente é muito mais interessante do que a especulação a curto prazo”, garantiu.

Com ou sem especulação, para Álvaro Pinto, a verdadeira criação de valor virá quando forem lançados os serviços e produtos que podem ser comprados com AppCoins, assim como quando o projeto for alargado a outras plataformas: “A valorização, verdadeiramente, virá com o lançamento de serviços e dependendo da qualidade desses serviços. Se conseguirmos levar as AppCoins a mais parceiros no mercado, obviamente que haverá necessariamente mais procura e mais valorização do token.”

"A valorização, verdadeiramente, virá com o lançamento de serviços e dependendo da qualidade desses serviços.”

Álvaro Pinto

Cofundador da Aptoide

Sobre a listagem da AppCoins noutras corretoras para além da Binance, Álvaro Pinto confirma as negociações, mas prefere não revelar nomes porque os acordos ainda não estão fechados. “Ainda não temos nenhum outro acordo fechado. Estamos em fase de negociações. Ainda não posso anunciar. Mas o que posso dizer é que o objetivo é tornar isto acessível a toda a gente.”

Álvaro Pinto escusa-se a perspetivar sobre o preço-alvo da moeda no curto, médio ou longo prazo, por ser mera “futurologia”. Mas frisa, por fim: “Espero que tenha uma boa valorização no futuro mas, mais do que isso, que tenha uma boa aceitação do ponto de vista dos serviços relacionados com as app stores [lojas de apps] e com a distribuição de aplicações.”

AppCoins (APPC) corrige após chegada ao mercado

Cotação da AppCoins na corretora Binance entre 7 e 8 de janeiro. Valor em dólares.WorldCoinIndex

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Esta criptomoeda portuguesa já é uma das mais valiosas do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião