A revolução no mundo das Apps tem um nome: Aptoide

  • Álvaro Pinto
  • 30 Março 2017

A loja de aplicações que oferece uma experiência mais social tem agora uma nova imagem, resultado de um acentuado crescimento, espelhando a marca global em que se tornou.

Houve duas revoluções que nos últimos 20 anos mudaram a indústria: a Internet e o Mobile. As revoluções são assim: chegam de rompante, sem se fazer anunciar, e alteram as nossas rotinas e a forma como lidamos com a tecnologia.

Falando de revoluções, não podemos deixar de lado a mudança de paradigmas, as novas e diferentes experiências com que nos presenteiam. A Aptoide vai além do conceito de App Store, proporcionando ao utilizador uma variedade de opções e de experiências únicas dentro da plataforma. A vertente social é cada vez mais forte, com elementos que facilitam a descoberta de conteúdo e a interação entre utilizadores. E 2016 veio comprovar a importância desta vertente. Foi um ano incrível para a Aptoide, atingimos os 150 milhões de utilizadores, 3 mil milhões de downloads, 700 mil apps e 4 milhões de USD (3.724.530 euros) em receita.

De forma a acompanhar este crescimento e implementação no mercado, apostámos numa nova identidade que conseguisse transparecer a verdadeira essência da Aptoide que vai muito além do conceito de download. Ao desenvolvermos app stores para os nossos parceiros, entre eles empresas de telecomunicações, dando-lhes a possibilidade de personalizar a sua própria App Store com a sua marca, sentimos a necessidade de espelhar uma nova imagem gráfica. A nova imagem, oficialmente apresentada no Mobile World Congress (MWC), o maior evento de mobile do mundo, celebra assim este sucesso da Aptoide.

A importância de uma imagem que espelhe a marca global em que nos tornamos na plataforma digital Aptoide é crucial. A marca é uma constante enquanto o utilizador está a usar a plataforma, devendo ser representativa daquilo que nós fazemos, e mais: daquilo que nós somos. Reconhecemos a importância do branding na plataforma desde o início e quando começámos a desenvolver soluções B2B (white label) para os nossos parceiros, permitindo que eles criassem suas próprias lojas de aplicações, a necessidade de termos uma imagem mais global mostrou-se ainda mais emergente.

O sonho tornado realidade

Fundada em 2011, a Aptoide está atualmente disponível em versões para smartphones, televisões e tem atualmente em desenvolvimento uma app store para dispositivos de realidade virtual. O objetivo, desde o início, era ter uma plataforma que funcionasse como uma comunidade em que programadores (developers), OEM, integradores e empresas de telecomunicações criassem e gerissem a sua própria loja de aplicações.

Este era o sonho: oferecer apps de qualidade a um número crescente de utilizadores no mundo inteiro e reinventar a forma como as pessoas descobrem as apps. E fez-se realidade.

O que tem a Aptoide de diferente?

Se és utilizador…

A Aptoide é uma loja alternativa de aplicações Android que permite aos utilizadores criarem as suas próprias “lojas”, seleções de apps que podem ser carregadas pelo utilizador ou escolhidas entre uma vasta coleção de mais de 700 mil apps presentes na Aptoide. Estas lojas funcionam de forma semelhante às “playlists” do YouTube, e dinamizam a experiência de descoberta de conteúdo na plataforma.

Uma das razões pelas quais é tão popular na Ásia, América Latina e Médio oriente, é o facto de não requerer o registo pessoal aos utilizadores para que estes possam começar a usufruir da plataforma e oferecer ainda métodos de pagamento alternativos ao cartão de crédito, onde esta não é uma opção acessível à maioria. Atenta ao crescimento destes mercados, a Aptoide desenvolveu ainda uma versão “lite” da App Store, uma versão para dispositivos com pouca capacidade de armazenamento e que consome menos banda larga.

Se és developer

A Aptoide apoia os developers na distribuição e crescimento da sua base de utilizadores e ajuda-os a rentabilizar a sua aplicação. Ao contrário das tradicionais lojas de Apps, não é exigido aos developers qualquer custo para registo e distribuição da sua App para Android, podendo distribuí-la noutras plataformas, uma vez que a Aptoide não exige exclusividade.

Pelo facto de vir pré-instalada em várias marcas de dispositivos Android e ter métodos de pagamento alternativos adaptados a cada região, a Aptoide consegue trazer aos seus developers mais utilizadores e receita.

Se é parceiro…

No segmento B2B, a Aptoide oferece a possibilidade de terem uma App Store com a sua própria imagem de marca. A Aptoide fornece a plataforma e as aplicações, os parceiros gerem-nas. Esta solução fornece tecnologia feita à medida de cada parceiro com um back-office flexível e completo que permite ao nosso parceiro um elevado grau de autonomia na sua gestão.

Atualmente, a Aptoide tem mais de 60 parceiros empresariais a nível internacional e oferece Main App Stores para smartphones e tablets, Kids App Stores, para gadgets de crianças e TV App Stores para Televisões e SetTop Boxes, que usam o sistema operativo Android.

Visite a Aptoide

www.aptoide.com
www.facebook.com/aptoide
https://twitter.com/Aptoide
www.instagram.com/aptoideteam/
www.youtube.com/user/Aptoide
http://blog.aptoide.com/
www.aptoide.com/page/ambassadors

* Álvaro Pinto é cofundador da Aptoide.

  • Álvaro Pinto

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A revolução no mundo das Apps tem um nome: Aptoide

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião