Moody’s espera mais fusões e aquisições no sector segurador

  • ECO Seguros
  • 24 Maio 2019

Os mercados de seguros da Europa ocidental estão saturados, o que dificulta o crescimento orgânico e as fusões e aquisições serão a via preferida para a consolidação do sector, diz a agência de rating

O setor segurador europeu continuará o seu processo de consolidação em 2019, o que significa mais fusões e aquisições, de acordo com o último relatório da Moody’s Investors Service.

Para Dominic Simpson, vice-presidente para a área do crédito da agência de rating, as taxas de juro baixas continuam a pressionar as margens das seguradoras pelo que estas têm fortes incentivos para comprar e vender “negócios fechados”, ou seja, que não aceitam novos clientes, também conhecidos como “books in run-off”. Os “negócios fechados” são suportados por “blocos fechados de ativos” para proteger os participantes e são criados quando, por exemplo, uma seguradora de vida mútua se converte numa sociedade por ações.

Segundo a Moody´s, os mercados de seguros da Europa ocidental encontram-se saturados, o que dificulta o crescimento orgânico e funciona como catalisador para que as seguradoras que querem obter maior escala ou transformar o seu negócio optem pela via das fusões e aquisições.

Foi o que aconteceu em 2018, com a aquisição protagonizada pela AXA. A seguradora concretizou, em larga medida, a sua ambição de contar com margens menos sensíveis aos mercados financeiros com a compra da seguradora não vida XL, considera a Moody’s.
Para a agência de classificação de risco, a tendência para as fusões e aquisições deverá acompanhar os esforços das seguradoras para alterarem os seus modelos de negócio. Tal incluirá transações intersectoriais com gestores de ativos e insurtechs.

A Moody’s espera, em particular, assistir a um aumento na atividade de consolidação de “livros fechados” na Alemanha, o que reflete uma “melhor visibilidade do impacto das alienações de ‘livros fechados’ sobre os índices Solvency II”. O relatório salienta, a este respeito, a recente aprovação pela entidade reguladora alemã da venda do negócio do ramo vida da Generali na Alemanha. A Moody’s admite ainda que mais negócios deste género se poderão vir a realizar no Reino Unido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s espera mais fusões e aquisições no sector segurador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião