PS vence eleições europeias

Resultados oficiais confirmam sondagens. PS acima de 33% e PSD pode ficar a 10 pontos. Bloco de Esquerda sobe a terceira posição.

Os resultados provisórios oficiais das eleições para o Parlamento Europeu dão a vitória ao PS, confirmando as sondagens avançadas pelas televisões às 20 horas. Quando faltam conhecer os votos apenas dos consulados, o PS vai à frente com 33,39% dos votos, perto do intervalo superior das projeções.

O PSD tem 21,94%, o Bloco de Esquerda já conta com 9,82% dos votos, a CDU garante 6,88%, o CDS 6,19% e o PAN 5,08%.

Os resultados estão a ser atualizados pelos serviços do Ministério da Administração Interna. Às 12:18 de segunda-feira, os dados atribuem sete eurodeputados ao PS, quatro ao PSD, dois ao Bloco de Esquerda, um ao PCP, um ao CDS e um ao PAN.

O PS deverá ter ganho as eleições europeias com 30% a 34% dos votos, o que dá aos socialistas oito a nove mandatos no Parlamento Europeu, indica a sondagem da RTP. O PSD fica em segundo lugar com 20 a 24% dos votos, o que dá cinco a seis eurodeputados. A sondagem da SIC também dá ao PS a vitória com 30,9% a 34,9%, com o mesmo número de deputados atribuídos pelas sondagens da estação pública, e o PSD fica pelos 21,8% a 25,8%, acertando também em cheio com o mesmo número de eurodeputados.

Com este resultado, é a quarta vez que nas eleições europeias vence o partido que está no poder. A primeira vez foi em 1987, com Cavaco Silva, feito que repetiu em 1989. Esta coincidência repetiu-se em 1999, quando António Guterres venceu as europeias em 1999.

Os analistas políticos costumam dizer que as europeias servem para penalizar os governos. Mas às oitavas eleições para o Parlamento Europeu já há um empate: em quatro delas ganhou o partido no poder, em quatro delas o partido no poder perdeu.

As sondagens que foram sendo feitas durante a campanha para as eleições davam a vitória ao PS. O ECO está a seguir a par e passo as eleições para o Parlamento Europeu que pode seguir aqui.

O Bloco de Esquerda terá entre 9 a 12% (dois a três mandatos), a CDU entre 7 a 9% (dois mandatos) e o CDS 5 a 7% (um ou dois mandatos). O PAN deverá conseguir eleger um deputado, pela primeira vez, indica a sondagem da estação pública.

A sondagem da SIC também dá ao Bloco de Esquerda a terceira posição com a percentagem de votos a variar entre 8,5% e 11,5% (dois a três lugares). A CDU fica com 5,3% a 8,3% (um ou dois). O PAN aparece lado a lado com o CDS. Ambos entre 4,7% e 7,3%, sentando em Estrasburgo um ou dois eurodeputados. Embora haja diferenças nas percentagens de votos nos três últimos classificados, as sondagens indicam para já que o número de eurodeputados eleitos pode ser o mesmo.

Como foi há cinco anos

Nas últimas eleições, em 2014, o PS venceu as eleições europeias com 31,46% dos votos, o que correspondeu a oito eurodeputados. Em segundo lugar, ficou a coligação PSD/CDS, com 27,71%, o equivalente a sete eurodeputados.

O PCP ficou na terceira posição com 12,68% (três eurodeputados), o MPT de Marinho e Pinto conseguiu 7,14% dos votos com dois eurodeputados e o Bloco de Esquerda ficou-se pelas 4,56% dos votos, o equivalente a um eurodeputado.

As tendências da noite

A confirmarem-se as sondagens avançadas pelas duas estações de televisão, o PS vence as eleições com uma distância significativa face ao PSD de Rui Rio. Outra das tendências já possíveis de verificar é a subida do Bloco de Esquerda de Catarina Martins ao terceiro lugar, depois de em 2014 ter ficado em último, atrás do PCP de Jerónimo de Sousa.

Além disso, o PAN vê confirmada a sua influência como força política junto dos eleitores portugueses. Em 2015, chegou ao Parlamento português elegendo o primeiro deputado e agora parece confirmar a sua posição também no Parlamento Europeu.

Quanto ao PSD, as comparações com os resultados nas últimas eleições não são tão fáceis de fazer com precisão, tendo em conta que o PSD concorreu junto com o CDS em 2014, ao passo que agora concorreram separados.

No entanto, na sexta-feira, o último dia de campanha eleitoral, o líder do PSD deixou alguns indicadores importantes para avaliar os resultados desta noite. Defendeu que dos 27,71% obtidos há cinco anos com o CDS, 19% a 20% são do PSD. É portanto com este número que devem comparar as sondagens que dão ao PSD entre 20% a 25,8%. No entanto, vai ser preciso esperar pelos resultados finais para saber fechar a avaliação.

(Notícia atualizada às 12:18 de segunda-feira quando já estão contados os votos de todas as freguesias, ficando a faltar sete consulados num total de 100)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS vence eleições europeias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião