Eurobic sobe em mais de 20% anuidades dos cartões de débito e crédito

O banco vai encarecer um conjunto de serviços bancários a partir de agosto. As anuidades de cartões de débito e crédito aumentam 20% e 33%, enquanto o custo das transferências ao balcão agrava 22%.

Os clientes do Eurobic vão ver a temperatura dos encargos com comissões aumentar no pico do verão. O banco liderado por Teixeira dos Santos sobe em agosto o custo de um conjunto de comissões bancárias. O aumento em mais de 20% nas anuidades de cartões de débito e crédito é uma das principais mexidas, mas o banco também vai agravar em 22% o valor que cobra pelas transferências ao balcão. E há mais subidas de encargos.

O Eurobic divulgou no seu site alterações ao preçário que entram em vigor a partir do dia 5 de agosto. Os cartões de crédito e de débito clássicos são um dos principais alvos das mexidas. Para além de encarecer as comissões pela substituição dos dois tipos de cartões, o banco também vai passar a cobrar mais pelas anuidades do cartão de crédito Eurobic Classic e do cartão de débito Eurobic Electron.

Atualização de preçário para cartões

No primeiro caso, a anuidade passa a custar 18 euros, valor que compara com os atuais 15 euros, e que representa uma subida de 20%. De salientar, contudo, que o banco isenta a comissão por disponibilização do cartão de crédito, no primeiro ano quando o cartão está associado à Conta EuroBic Prime. Há também isenção da comissão por disponibilização do cartão de crédito quando este está associado à Conta EuroBic Mais.

A isenção da comissão por disponibilização do cartão de crédito nos anos seguintes também se aplica se o volume de faturação do ano anterior à data da cobrança da comissão for igual ou superior a cinco mil euros (em compras e/ou cash advance) na conta cartão, com utilização em pelo menos 6 dos 12 meses.

Já no caso dos cartões de débito, a anuidade passa dos atuais 15 para os 20 euros, o que corresponde a um aumento de 33%. As exceções aplicam-se a clientes com cartão associado às contas: EuroBic Prime, EuroBic 365, EuroBic Mais e EuroBic Sénior, onde não há lugar ao pagamento dessa anuidade. Quando associado à Conta Cool há uma redução de 50% no valor da anuidade.

Mais curto será o aumento da anuidade que passa a ser aplicada ao cartão de débito Eurobic Private, destinado ao segmento select do banco. Esta sobe 11%, passando dos 18 para os 20 euros.

Também nas transferências ocorrem subidas de custos, mas apenas nas operações que se realizam ao balcão ou através de contacto telefónico com operador. As transferências pontuais para outros bancos passam a ter um custo unitário de 5,5 euros quando feitas ao balcão, 22% acima do custo de 4,5 euros atualmente em vigor. Com recurso ao telefone com operador o preço passa de 4 para 5 euros. Ou seja, uma subida de 25%.

Transferir dinheiro ao balcão e ao telefone mais caro

Através dos mesmos meios mas, para entre clientes do Eurobic também há subidas de custos. Transferências pontuais ao balcão sofrem um agravamento de 7%, dos 1,5 para os 1,6 euros cada. Com recurso ao telefone e operador passam dos atuais 1,25 para os 1,6 euros. Ou seja, mais 28%.

Clientes com menos património passam a pagar mais

Nas contas bancárias também há alterações nas comissões de manutenção, mantendo-se a tendência decrescente à medida que seja mais elevado o património financeiro. O banco criou um novo patamar destinado a contas com património financeiro associado até 1.500 euros, fazendo ajustes nos patamares com valores superiores. Neste primeiro patamar, o Eurobic passa a cobrar 48 euros anualmente pela manutenção de contas. Atualmente o primeiro patamar vai até aos 2.500 euros, sendo cobrado o mesmo valor.

Já o patamar que antes se aplicava a contas com património financeiro entre 2.500 e 5.000 euros foi substituído por um novo intervalo que vai dos 1.500 aos 3.500, a que será aplicada a anuidade de 40 euros. Para quantias entre 3.500 e 5.000 euros, a comissão anual é de 30 euros (o intervalo anterior era entre 5.000 e 15.000 euros para esse valor). Contas com patrimónios financeiros associados entre 5.000 e 15.000 euros passará a ser cobrado o mesmo que se aplica no intervalo entre 15.000 e 50.000 euros: 20 euros de anuidade. Valores acima dos 50.000 euros mantêm a isenção da anuidade.

Fora desses aumento ficam as contas abertas há menos de 6 meses, que são isentas, as contas Cool em que o primeiro titular tenha mais de 18 e menos de 25 anos e contas que tenham associados crédito pessoal, crédito habitação ou cartão de crédito.

Mas há mais alterações no preçário que acarretam mais custos para os clientes do Eurobic. Entre elas o encarecimento da requisição de cheques, um meio de pagamento que tende a ter cada vez menos aderentes e cuja gestão acarreta maiores custos para os bancos do que a utilização de outros meios de pagamento. Aqui, em muitos casos, o custo duplica, mas há incrementos maiores.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eurobic sobe em mais de 20% anuidades dos cartões de débito e crédito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião