O que faz uma diretora de sustentabilidade? A AllianzGI tem uma

  • Ricardo Vieira
  • 3 Junho 2019

“Estar na vanguarda do investimento sustentável tornou-se um fator competitivo hoje”, diz Beatrix Anton-Groenemeyer a primeira Chief Sustainability Officer do grupo.

Com formação em direito, começou a carreira em investimento bancário, Beatrix Anton-Groenemeyer foi nomeada Chief Sustainability Officer para a Allianz Global Investors, onde trabalha há quase duas décadas como Global Head of Product Specialist Fixed Income — cargo que vai continuar a ocupar durante um período de transição.

Na nova posição, Beatrix não tem só a cargo a sustentabilidade do grupo como é responsável por desenvolver a narrativa e o posicionamento dos produtos financeiros que integram fatores Ambientais, Sociais ou de Governo das Sociedades (ESG – environmental, social and governance) e Investimentos socialmente responsáveis (SRI – socially responsible investment), assim como pela coordenação da representação do setor e por garantir a construção adicional de oferta sustentável.

“A AllianzGI tem sido pioneira em investimentos sustentáveis estabelecendo uma pesquisa dedicada ao ESG há quase duas décadas, quando o assunto parecia ser um nicho para muitos no setor financeiro”, diz Beatrix, explicando que há cada vez mais empresas que “esperam uma abordagem responsável e um engajamento ativo que vá além dos retornos de investimento”.

Para o CEO Andreas Utermann, “a capacidade da AllianzGI em melhorar os resultados de investimento dos clientes, adotando uma abordagem holística da sustentabilidade, é um princípio essencial (…). Esta nomeação sublinha o quão seriamente encaramos a sustentabilidade e como pretendemos permanecer na vanguarda do investimento ativo.”

Beatrix Anton-Groenemeyer foi nomeada Chief Sustainability Officer para a Allianz Global Investors, onde trabalha há quase duas décadas.AllianzGI

A Chief Sustainability Officer sabe que “estar na vanguarda do investimento sustentável tornou-se um fator competitivo hoje. Permite uma visão de 360.º para melhor entender o risco e as oportunidades das empresas. Também nos ajuda a identificar líderes de sustentabilidade, ou seja, empresas que atendem às expectativas de hoje, respeitando e compreendendo a responsabilidade pelas gerações futuras. Os nossos clientes tornaram-se mais exigentes e esperam de nós, como um gestor de ativos, incorporar totalmente o investimento sustentável”.

O grupo tem atualmente 535 mil milhões de euros em ativos sob a sua gestão, desses 118 mil milhões já têm ESG integrado, 22 mil milhões são investimentos dedicados ao SRI e 6 mil milhões são investimentos de impacto.

Além da nomeação de Beatrix Anton-Groenemeyer, a empresa nomeou também Marie Navarre como analista sénior de SRI. Vinda da Amundi (empresa francesa de gestão de ativos), onde era analista ESG desde 2009 e cobria setores como metalurgia, minérios e setor público.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que faz uma diretora de sustentabilidade? A AllianzGI tem uma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião