Migrantes europeus: Portugal emprega 84% dos que vivem no país

  • Ricardo Vieira
  • 29 Maio 2019

Além de integrar a maioria dos migrantes europeus, Portugal é dos países com mais alta taxa de empregabilidade para nascidos fora da UE.

Dados do Eurostat mostram que Portugal é o segundo estado-membro com a taxa de emprego mais elevada entre os migrantes europeus (84%), atrás apenas do Reino Unido (86%).

Uma análise do gabinete de estatística, que compara a taxa de empregabilidade da população nativa com a das pessoas naturais de outro estado-membro (a trabalhar na União Europeia) e com a das pessoas nascidas fora da UE, concluiu que a taxa de atividade mais elevada registou-se entre os migrantes europeus, com 82% (+5,3% em relação a 2008).

Por sua vez, as pessoas nascidas fora da UE viram a taxa de emprego decair em 1%, nos últimos dez anos. Neste indicador, Portugal continua a marcar pontos no que respeita à integração de emigrantes, com uma das taxas de emprego mais elevadas para pessoas nascidas fora da UE (76%), atrás da República Checa (84%), Eslováquia (81%), Malta (80%), Roménia (78%) e Polónia (77%). Quem fica pior na figura é a Bélgica, onde apenas 53,9% dos migrantes nascidos fora da UE conseguem viver e trabalhar no país.

Em 2018, na maioria dos países analisados, as taxas de desemprego da população nascida noutros países da UE era mais alta do que a da população nativa. O que não acontece nem em Portugal, nem em países como a Croácia, a Eslovénia, o Reino Unido e a França.

E enquanto a Suécia, Alemanha e Países Baixos registaram as taxas de emprego mais elevadas para a população nativa, a Grécia está do outro lado da tabela com a pior taxa de emprego para esta população (59,9%).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Migrantes europeus: Portugal emprega 84% dos que vivem no país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião