“Desligar” é melhor forma de reter talento e promover produtividade e eficácia

  • Ricardo Vieira
  • 29 Maio 2019

De acordo com estudos relativos ao mercado de trabalho, a geração millennial queixa-se que muitas vezes sofre de esgotamento no trabalho. Adecco faz recomendações.

O burnout ou síndrome do esgotamento profissional passou a integrar a lista de doenças aprovada pela Organização Mundial de Saúde este sábado, e estudos revelam também que os funcionários que experienciam o esgotamento são mais propensos a tirar um dia de baixa e a deixar o seu empregador atual. Estas razões levam a Adecco a alertar para que “as empresas que querem manter os seus funcionários com melhor desempenho – e se querem que continuem” a ser produtivos e eficientes – devem incutir uma cultura de personal time off”.

Perceber que funcionários correm risco de burnout é uma das principais preocupações dos executivos que participaram do “Global Talent Trends 2019” mas, revela a Adecco, “muitas são as empresas nas quais ainda hoje se premeiam os colaboradores que vão de férias com o portátil e o telemóvel, que verificam os seus emails, respondem e trabalham durante esse período”.

Para os especialistas de recursos humanos desta empresa, “o tempo pessoal desconectado do trabalho, ou PTO – Personal Time Off – é fundamental para o bom equilíbrio vida/trabalho”. “A desconexão obriga ao descanso, melhora a saúde e bem-estar emocional, gera maior capacidade de foco, dá melhor capacidade de prioritização, mais confiança na equipa de trabalho, e o regresso torna-se mais desejado”, afirmam.

“Desligar” deve fazer parte da cultura da empresa, garantindo a Adecco que é a forma para as empresas reterem “os funcionários que têm melhor desempenho. E se querem que continuem a ser produtivos e eficientes”. Neste sentido a empresa destaca quatro princípios que não devem ser esquecidos:

  • Não há problema em desligar; dê essa permissão a si próprio;
  • Tire tempo para si para renovar energias e revitalizar;
  • Foque-se na sua saúde e no seu bem-estar;
  • Ao tirar o tempo para desligar-se estamos mais ligados ao trabalho.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Desligar” é melhor forma de reter talento e promover produtividade e eficácia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião