A fórmula para atrair talento está na reputação, diz a Randstad

  • Ricardo Vieira
  • 27 Maio 2019

A reputação das empresas é um fator decisivo para quem procura emprego, de acordo com o Global Report do Randstad Employer Brand Research 2019.

Cerca de 96% das assumem ter pesquisado sobre a reputação das empresas antes de se candidatarem a uma vaga de emprego, e este foi um fator decisivo no momento de tomar uma decisão. A conclusão é de um estudo da Randstad elaborado em 32 países.

Outra das conclusões é que os colaboradores dão cada vez mais importância aos valores inerentes às organizações e às indústrias e, por isso, a reputação de quem recruta influencia fortemente o seu compromisso para com a empresa.

Dados do Global Report revelam também que as pessoas preferem trabalhar numa empresa multinacional, ao invés de uma startup, e que os setores mais atrativos são o de ITC (IT, tecnologia e comunicações), bens de consumo e o setor automotivo. “Os resultados permitem concluir que uma reputação empresarial forte e coesa pode ajudar a aproximar talento e a mantê-lo comprometido com o seu trabalho”, afirma a empresa.

Outra análise sobre employer brand, elaborada pela mesma empresa de recrutamento, mostra que a par da pouca garantia de emprego, a reputação fraca de uma empresa motiva os colaboradores a seguirem outro rumo profissional.

“Com a crescente oferta de escolhas profissionais que o mercado global enfrenta, a atração de talento para as empresas é um desafio cada vez maior. Devido à inovação tecnológica e à competitividade global, os recrutadores encontram cada vez mais dificuldades em reter os seus colaboradores e este é um cenário comum a mais países a nível global”, afirma a Randstad em comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A fórmula para atrair talento está na reputação, diz a Randstad

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião