Farfetch abre 36 vagas para programa de estágios remunerados em Lisboa, Porto e Braga

As candidaturas estão abertas até ao próximo dia 30 de junho e podem ser feitas através do site da própria empresa. Já os estágios, em Lisboa, Porto e Braga, têm a duração de seis meses.

Vem aí mais uma edição do programa de estágios remunerados PLUG-IN da Farfetch. A plataforma da indústria da moda de luxo vai lançar, ainda este ano, um total de 36 vagas para recém-graduados nas áreas de tecnologia e de produto. As candidaturas estão abertas até ao próximo dia 30 de junho, avança a empresa em comunicado.

Dentro da área da tecnologia, a empresa liderada por José Neves está a recrutar para funções de information systems, security, architecture, infrastructure e engineering, enquanto as vagas para a área de produtos dizem respeito a product design, back office products, product general, product analytics e product data science.

As candidaturas àquela que é já a quarta edição do PLUG-IN terminam no final de junho e podem ser feitas através do site da empresa. Os estágios, com a duração de seis meses, têm início marcado para setembro nos escritórios da Farfetch em Lisboa, Porto e Braga. De acordo com a empresa, será meio ano de “contexto real de desenvolvimento de projetos, com um acompanhamento muito próximo de especialistas de diversas áreas da Farfetch”.

Para além da fase de avaliação inicial, da qual faz parte a análise de perfil e uma primeira entrevista, este ano, “o processo de seleção inclui um hackathon, um evento de um dia, em formato de design thinking sprint, que será realizado nos escritórios no Porto e em Lisboa, e nos qual os candidatos terão de dar resposta a desafios técnicos”, explica a Farterch.

O CTO da Farfetch diz que os seis meses de estágio são uma “oportunidade de aprender com mentores, integrar equipas internacionais, desenvolver competências técnicas e, ao mesmo tempo, passar por experiências pessoais muito ricas”.Farfetch

Olhando para as três edições anteriores do programa de estágios, 104 dos trainees que participaram ficaram a trabalhar na Farfetch. “É uma taxa de sucesso de 95% e estamos a falar de um programa intensivo, exigente e tecnicamente muito desafiante”, afirma Ana Sousa, vice-presidente dos recursos humanos da empresa.

Cipriano Sousa, CTO da Farfetch, refere, ainda, que o programa PLUG-IN dá aos participantes “a possibilidade de sair da universidade e entrar diretamente numa experiência profissional, na qual têm a oportunidade de ser desafiados, aprender e participar no desenvolvimento de uma plataforma tecnológica verdadeiramente global”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch abre 36 vagas para programa de estágios remunerados em Lisboa, Porto e Braga

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião