Solidão no trabalho: tecnologia alterou relações laborais

  • Ricardo Vieira
  • 22 Maio 2019

A tecnologia liga escritórios em diferentes continentes e põe equipas a trabalhar à distância, mas a nova forma de comunicar contribuiu para o isolamento dos colaboradores.

Globalmente, perto de 70% dos trabalhadores trabalha remotamente pelo menos uma vez por semana, e mais de 50% só vai ao escritório dois ou três dias. Hábitos que estão a alterar drasticamente a forma como colaboradores da mesma organização comunicam e convivem, contribuindo para a solidão ou sensação de isolamento destas pessoas. Não sendo por si um problema de saúde mental, estes sentimentos podem representar fatores de risco.

Apesar do trabalho remoto, pela flexibilidade que oferece, ser valorizado por muitos colaboradores, especialistas de recrutamento da Hays, acreditam que “trabalhar a partir de casa pode ser um fator que contribui para que os trabalhadores se sintam isolados”.

 

Joana Santos, HR Manager da Hays PortugalHays

“Os líderes empresariais precisam de garantir que os trabalhadores remotos vão com regularidade ao escritório, pelo menos uma vez por semana. Isso ajudará a combater qualquer sentimento de isolamento, por interagirem apenas com os colegas por computador ou por telefone”, refere Joana Santos, HR Manager da Hays Portugal, que aconselha os colaboradores a estarem “atentos aos colegas, especialmente aqueles que passam muito tempo longe do escritório, muitas vezes é uma pessoa que pode fazer a diferença”.

Emma Mamo, head of workplace wellbeing na Mind (instituição solidariedade social britânica na área da saúde mental), constata que a solidão e a sensação de isolamento não são um problema de saúde mental, mas podem ser um fator que contribui. “A sensação de isolamento pode contribuir para o desenvolvimento de problemas como a ansiedade e a depressão, enquanto as pessoas que vivem com questões de saúde mental são mais propensas a sentirem-se sozinhas”, diz.

Tão perto e tão longe

Mas mesmo para as equipas que continuam a cumprir horário no mesmo escritório, as relações interpessoais também se alteraram. A explicação, para a Hays, está na “dependência excessiva da tecnologia quando se comunica no local de trabalho [que] pode levar a que os colaboradores se sintam isolados”, já que apesar de mais conectados digitalmente diminuíram as interações presenciais entre colegas.

“Visto que a era digital aproximou colegas de diferentes países, é contraditório que tenha criado um maior distanciamento entre colegas no mesmo local de trabalho. É importante que os profissionais de RH e líderes de negócios identifiquem os colaboradores que possam estar a sentir-se mais solitários, caso contrário, o custo de não o fazer pode ser grande e afetar o desempenho geral da empresa através da baixa produtividade e pouca retenção de talentos” afirma a mesma responsável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Solidão no trabalho: tecnologia alterou relações laborais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião