Village Underground é um dos coworks mais disruptivos, diz a Forbes

Revista internacional considerou espaço de cowork de Lisboa um dos quatro mais disruptivos do mundo.

O Village Underground, espaço de cowork lisboeta criado por Mariana Duarte Silva, é um dos mais disruptivos do mundo, considerou a revista internacional Forbes.

De acordo com o artigo publicado na semana passada, “ser diferente” é uma das coisas que distingue os espaços de trabalho atualmente, e isso faz com que tenhamos de “esquecer um escritório que ofereça apenas o wifi e algumas salas de reuniões”. “Os espaços de trabalho de hoje trazem lógicas, aulas e serviços que parecem mais em linha com spas e restaurantes”, explica a jornalista.

Fundado em 2014, o espaço de Lisboa é um dos que mais se destaca, a nível mundial, pelas suas características. O artigo destaca “a estrutura feita de contentores”, “o estúdio de gravação”, “o restaurante e a sala de conferências” como condições para ser atualmente “um hub para a criatividade e a cultura”.

De acordo com o estudo feito pela Coworking Resources, esta indústria que tem 15 anos de história terá mais de 21.300 espaços, globalmente, no final de 2019.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Village Underground é um dos coworks mais disruptivos, diz a Forbes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião