Quer contratar e reter millennials? Há uma formação para isso

  • Ricardo Vieira
  • 27 Maio 2019

Vem aí uma formação para acabar com a dificuldade em gerir, satisfazer e reter talento da geração millennial. Há datas para o Porto e para Lisboa.

Eram adolescentes nos anos 2000 e, quando chegaram ao mercado de trabalho, foram revolucionando o setor da gestão das pessoas. Dizem os especialistas que estes jovens profissionais são inconformados, desassossegados, hábeis, diligentes, muito cientes dos seus direitos (e dos outros), sequiosos por conhecimento, por inovação, por reconhecimento, por causar impacto e muito focados no (seu) propósito. São, assim, difíceis de gerir, de satisfazer e de reter.

A pensar nisto, mas também no facto de representarem a maior fatia dos trabalhadores no mercado – e porque em 2025 vão representar cerca de 75% da força de trabalho mundial –, há uma formação sobre “A Adaptação das Organizações à Geração Millennials – Gerir os millennials – atrair, envolver e reter”.

Este workshop, dirigido a profissionais que trabalham a gestão de pessoas, vai explicar o porquê desta geração ser como é, as suas causas, valores, crenças e objetivos, dando a conhecer estratégias para trabalhar a atração dos melhores talentos millennial.

Nesta formação, dada por Pedro Branco, diretor departamento comercial Vantagem+ (empresa que organiza o evento), os participantes vão ainda compreender as motivações destes profissionais criando estratégias de motivação e retenção, de modo a tirar o maior proveito destes profissionais em função dos objetivos de cada organização.

No Porto, a formação é no dia 4 de junho e, em Lisboa, no dia 6.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer contratar e reter millennials? Há uma formação para isso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião