DefinedCrowd lança app que permite a utilizadores construir “futuro da inteligência artificial”

DefinedCrowd criou app para iOS e Android que permite aos utilizadores verificar e classificar conteúdos sendo pagos por cada tarefa completa. Input humano vai chegar a clientes como a BMW ou a EDP.

A DefinedCrowd lançou, esta terça-feira, em Toronto, uma aplicação mobile construída para que todos façam parte do futuro da inteligência artificial. A Neevo foi apresentada na Collision Conf, na capital do estado do Ontário, e permite aos membros da comunidade contribuir para o desenvolvimento e melhoria de sistemas de inteligência artificial.

“Com a procura por dados de treino de alta qualidade a aumentar, é crucial garantirmos que a nossa comunidade human-in-the-loop tem acesso eficiente e rápido às tarefas essenciais para a IA”, refere Sara Oliveira, diretora de produto. “Por isso, o lançamento da aplicação Neevo é um marco muito importante para nós, uma vez que providencia uma experiência mobile dedicada para potenciar a inteligência humana nos nossos datasets,” acrescenta.

Disponível para iOS e Android, a app oferece aos membros a possibilidade de realizar ações de escrita, anotação, recolha e classificação de conteúdos, sendo estes pagos por cada tarefa concluída. A opção de verificar os sistemas de inteligência artificial com um input humano permite à DefinedCrowd “oferecer dados de treino de qualidade rapidamente aos seus clientes, que incluem nomes como BMW, Mastercard, Accenture, EDP e José de Mello Saúde”, entre outras empresas.

À medida que a indústria se vai apercebendo do impacto da qualidade dos dados de treino, nós continuamos a trabalhar para melhorar não só a experiência dos nossos clientes, mas também a experiência da nossa incrível comunidade human-in-the-loop”, afirma a fundadora e CEO da DefinedCrowd, Daniela Braga.

Fundada em 2015, a DefinedCrowd foi considerada recentemente uma das 100 melhores startups na área da Inteligência Artificial pela consultora CB Insights. Com uma equipa de mais de 110 pessoas nos escritórios de Seattle, Lisboa, Tóquio e Porto, a empresa fundada pela portuguesa Daniela Braga continua a contratar para os escritórios portugueses. A comunidade NeevobyDefinedCrowd é constituída, a nível global, por mais de 130.000 membros espalhados por mais de 50 países.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DefinedCrowd lança app que permite a utilizadores construir “futuro da inteligência artificial”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião