Portugal Air Summit: empresas vão debater o futuro da aviação e aeronáutica

  • Ricardo Vieira
  • 24 Maio 2019

Sob o tema “Powering Human Capital”, o programa da cimeira vai centrar-se nas capacidades humanas, mercado de trabalho e formação avançada.

Ponte de Sor recebe a terceira edição da Portugal Air Summit, que reúne entidades e personalidades da indústria para debater e analisar o potencial e futuro da Aviação e Aeronáutica. Sob o tema “Powering Human Capital”, o programa da cimeira, que decorre entre 30 de maio e 2 de junho, vai centrar-se nas capacidades humanas, mercado de trabalho e formação avançada.

O evento “pretende promover numa base nacional e internacional o setor aeronáutico português e assim estabelecer Portugal como um major player na indústria internacional. Mais uma vez, adota o principal objetivo de contribuir para o desenvolvimento da atividade corporativa no campo da aviação tripulada e não tripulada”, lê-se na página da iniciativa.

O Lusoavia, Encontro Internacional de Aviação dos Países Lusófonos, faz parte da programação, no qual estará presente Salimo Abdula, Presidente da Confederação Empresarial da Comunidade de Países de Língua Portuguesa.

Para Nuno Molarinho, CEO da TheRace e organizador do Portugal Air Summit, “é um prazer receber um evento com o perfil da LusoAvia. Será muito interessante debater o setor aeronáutico lusófono, constituído por 274 milhões de cidadãos e que representa 12% do tráfego mundial de passageiros. Sem dúvida que a presença de nomes de grande prestígio será uma mais-valia para o Portugal Air Summit e para o seu posicionamento enquanto momento chave de discussão da aeronáutica e da sua importância económica”.

Na Portugal Air Summit está anda prevista a presença de Aya Sadder, responsável pela Intelak, uma aceleradora líder em viação e turismo com base nos Emirados Árabes Unidos. “Esta é uma das grandes incubadoras e investidoras mundiais em startups do setor aeronáutico, que estará presente pela primeira vez num grande evento deste cariz fora dos Emirados, uma oportunidade única para as startups portuguesas apresentarem os seus projetos”, afirma a organização.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal Air Summit: empresas vão debater o futuro da aviação e aeronáutica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião