Duas ofertas de emprego em cima da mesa? Saiba o que deve ter em consideração antes de decidir

Pensar na carreira a longo prazo e analisar a conciliação entre vida pessoal profissional que cada uma das empresas oferece são alguns dos conselhos da Robert Walters.

Procurar emprego pode ser uma tarefa árdua. Apresentar uma demissão pode trazer, também, alguns constrangimentos. Mas, às vezes, ter de decidir entre duas ofertas de emprego pode causar, da mesma forma, alguma ansiedade. “É importante pensar nas opções que tem e compará-las com a situação do seu emprego atual, tanto a nível de funções e responsabilidades, como a nível de salário, benefícios, cultura e conciliação familiar”, começa por dizer a Robert Walters.

Por outro lado, é também importante “avaliar de que forma cada uma das ofertas contribui para alcançar as suas ambições de carreira a longo prazo”, explica a consultora de recrutamento em comunicado, acrescentando que, ainda assim, por mais ponderação que se faça, “aceitar uma nova oportunidade acarreta sempre riscos”.

Para, pelo menos, minimizar esses riscos, a Robert Walters reuniu um conjunto de dicas que podem ser-lhe úteis para tomar uma decisão mais ponderada:

1. Pense a longo prazo

A possibilidade de progressão de carreira é, segundo a consultora, uma das principais razões que levam as pessoas a decidir mudar de emprego. Neste sentido, o primeiro conselho da Robert Walters é que tenha em conta como quer construir a sua carreira no futuro. “As ambições a longo prazo, ainda que possam mudar ao longo da vida, devem funcionar como objetivo final. Independentemente da escolha de função que fizer agora, o seu foco deve ser sempre conseguir ficar mais próximo de atingir esse objetivo final”, afirma.

2. Evite agir por impulso

“Quando estiver a analisar cada oferta de emprego, pergunte-se em que medida aquela nova oportunidade poderia resolver os motivos que o levaram a querer mudar de trabalho”, aconselha a especialista de recrutamento. “Não mude de emprego por impulso“, alerta, acrescentando que, se o fizer, pode acabar por escolher “uma oportunidade errada”. Se tiver duas ofertas de emprego em cima da mesa, tem ainda “mais razões para pensar bem antes de escolher qualquer uma delas de forma precipitada”.

3. Analise o work-life balance

Outra das recomendações da consultora é que analise a conciliação entre trabalho e família, considerando o “impacto de cada nova função nas suas próprias necessidades e requisitos”. Se estiver interessado nessas opções, veja se há possibilidade de trabalhar a partir de casa ou de ter horários flexíveis. Além disso, “vale a pena ter em conta a localização de cada empresa e como fará a deslocação para lá desde sua casa”. Existem empresas que, para atrair talento, optam por benefícios extra como creche para os filhos dos trabalhadores ou ginásio para os colaboradores.

4. Considere a cultura corporativa das empresas

“A cultura corporativa de uma empresa é de importância crítica para decidir que oferta aceitar”, diz a Robert Walters. Por isso, durante a fase de entrevista, “deve procurar pistas e informações sobre a cultura e o ambiente de trabalho”. Além disso, a dica da consultora é que consulte amigos ou antigos profissionais que tenham trabalhado na empresa ou empresas e que pesquise críticas nas redes sociais ou em sites como o Glassdoor.

5. Não se deixe convencer apenas pelo salário

Ainda que ter um salário mais generoso possa ser, à primeira vista, apontado como o objetivo principal de uma mudança de emprego, a empresa de recrutamento aconselha que esse não seja o “único fator determinante no momento de decidir ou rejeitar uma oferta”. Com duas opções em cima da mesa, deve ter em consideração que uma função pode oferecer outros benefícios de carreira extra salariais, como “mais responsabilidade ou maior exposição”, por exemplo. “Se quiser tomar uma decisão imparcial no que diz respeito ao salário, ignore o pacote financeiro e foque-se no que lhe causa mais entusiasmo em cada uma das ofertas”, acrescenta a consultora de recrutamento.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Duas ofertas de emprego em cima da mesa? Saiba o que deve ter em consideração antes de decidir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião