O que Elon Musk ganhou em 2018 cobre o salário dos 65 CEO mais bem pagos na lista do The New York Times

  • Ricardo Vieira
  • 28 Maio 2019

Tesla defende que Musk não recebe salário nem bónus em dinheiro, estando sujeito a metas ambiciosas para receber prémios de desempenho.

Imagine a lista dos CEO mais bem pagos. Agora imagine que os lucros do mais bem pago, no topo da lista, dá para cobrir os salários dos 65 CEO que se seguem na lista. Existe, sim. O CEO no topo chama-se Elon Musk, reporta o The New York Times.

No estudo, elaborado pela consultora Equilar, analisou-se a remuneração dos CEO de 200 grandes empresas e percebeu-se que, enquanto o CEO da Tesla ganhou cerca de 2,3 mil milhões de dólares (grande parte em forma de stock options), o segundo CEO mais bem pago — David M. Zaslav, da Discovery – levou para casa “apenas” 129 milhões de dólares.

“No nosso ranking anual, estamos habituados a ver pagamentos tão grandes que são difíceis de compreender. Mas 2018 colocou a questão numa escala completamente nova”, refere a publicação. Na verdade, o pacote salarial de Elon Musk na Tesla foi tão elevado que obrigou a reformular o habitual gráfico.

De acordo com um artigo Business Insider, o pacote de compensação de Musk, aprovado em março de 2018 pelo conselho de administração da Tesla, é incomum entre os principais executivos, já que vai premiar o CEO de cada vez que forem atingidas metas de capitalização. Será assim durante uma década.

A Tesla, que só tem liquidez para 10 meses e já reduziu a equipa de administração, não demorou a prestar declarações sobre o assunto, respondendo à publicação: “Elon ganhou 0 dólares em remuneração total da Tesla em 2018, e qualquer relatório é incorreto e enganoso. Ao contrário de outros CEO, Elon não recebe salário, bónus em dinheiro (…). A sua única compensação é um arriscado prémio de desempenho, projetado com marcos ambiciosos, como duplicar a capitalização de mercado atual da Tesla de aproximadamente 40 mil milhões de dólares para 100 mil milhões”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que Elon Musk ganhou em 2018 cobre o salário dos 65 CEO mais bem pagos na lista do The New York Times

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião