Regressar ao trabalho depois de uma pausa? Programas “de retorno” crescem

  • Ricardo Vieira
  • 29 Maio 2019

Pausas na carreira estão, segundo a Hays, a ganhar mais expressão no mundo laboral. E é nesta população que pode estar a solução para a falta de competências no mercado.

Deixaram a carreira em pausa para voltarem aos estudos, para dar apoio à família, por motivos de saúde ou até para viajar. Apesar de não serem muito comuns em Portugal, as pausas na carreira estão, segundo a Hays, a ganhar cada vez mais expressão no mundo laboral. E é nesta população que pode estar a solução para a falta de competências no mercado.

“Algumas empresas têm dificuldades em desempenhar todo o seu potencial devido à escassez de competências. Uma forma eficaz de combater isso é trazer esses profissionais, com as aptidões essenciais, de volta ao mercado de trabalho. Assim, algumas empresas estão a começar a garantir a implementação de um programa de retorno eficaz”, diz Matilde Moreira, manager da Hays Portugal.

Empresas como a PayPal, a Willmott Dixon, a Target, a Microsoft, a Unilever, a IBM, a Vodafone e a Dell apostam já em programas de retorno, para atrair, contratar e tirar o máximo proveito da experiência e das aptidões desses profissionais.

Os custos de um programa de retorno são elevados, por isso as empresas devem estar cientes e realistas quando o iniciam. Devem certificar-se de que o retorno é visto como um investimento que vale a pena e que está a ser implementado para obter os melhores resultados. As empresas precisam de identificar onde há a escassez de aptidões nos seus negócios ou qual área que beneficiará de uma maior diversidade”, refere a responsável.

Dos profissionais que deixam a profissão “on hold”, muitos são mulheres. “Recursos muito valiosos para as companhias, preenchendo faltas de competências específicas e aumentando a diversidade”, como atesta a Robert Walters.

Uma análise da mesma consultora, sobre “Estratégias de talento sustentável – Women in Business”, percebeu que 90% das mulheres gostariam, no regresso ao trabalho, de estar num setor que lhes permitisse uma melhor conciliação com a vida familiar. Um salário atrativo e benefícios da empresa, possibilidades de progressão de carreira, trabalho gratificante e iniciativas de bem-estar são outros dos aspetos que mais valorizam.

“Contudo, há uma disparidade nas atitudes de empregadores e empregados em relação ao trabalho flexível: enquanto a maioria das mulheres profissionais quer mais opções de trabalho flexível (seja melhores horários ou possibilidade de trabalhar a partir de casa), menos de metade das empresas oferece esta possibilidade. Aliás, 63% das mulheres sente que aceitar medidas que permitam um melhor work-life balance depois de serem mães pode interromper ou interrompeu a sua projeção profissional”, afirma a consultora.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regressar ao trabalho depois de uma pausa? Programas “de retorno” crescem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião