Mais passageiros nos comboios, metro e barcos antes do passe único

O número de pessoas que viajaram pelos transportes em Portugal aumentou no primeiro trimestre do ano em todos os setores.

O número de passageiros nos transportes em Portugal aumentou no primeiro trimestre do ano, ainda antes de entrar em vigor o passe único que ditou uma queda nos preços. Mais pessoas viajaram nos comboios, metro, barcos e até nos aviões.

Entre janeiro e março deste ano, o transporte ferroviário de passageiros cresceu 4,5% enquanto o fluvial disparou 12,6%, face ao mesmo período de 2018. Já o metro registou uma subida de 6,1%, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Estes números ainda não refletem os efeitos do passe único, que impulsionou a procura de tal modo que até já há operadores a tirar bancos das carruagens, uma vez que tal oferta só arrancou em abril.

No metropolitano, nos primeiros três meses do ano, viajaram 62 milhões de passageiros. Mais de dois terços destes viajaram no Metro de Lisboa, que registou um crescimento de 5,9% nos primeiros três meses do ano. Já o Metro Sul do Tejo transportou 3,3 milhões de passageiros, numa subida homóloga de 9,9%.

Pelo transporte ferroviário viajaram 36,9 milhões de passageiros, sendo que a maioria do tráfego foi suburbano. Enquanto isso, aqueles que escolheram viajar por via fluvial foram 4,9 milhões, 95,8% dos quais pelo rio Tejo.

Finalmente, no que diz respeito ao transporte aéreo, “o número total de passageiros movimentados (embarques, desembarques e trânsitos diretos) nos aeroportos nacionais revelou um crescimento de 6,2%, atingindo 11,2 milhões de passageiros”, aponta o INE. O aeroporto de Lisboa movimentou 6,3 milhões de passageiros.

Transporte de mercadorias aumenta nos portos e cai na ferrovia

Quando se olha para o transporte de mercadorias, o crescimento não foi tão evidente. Aumentou nos portos nacionais, em termos de embarcações e movimento, em torno de 2%, numa recuperação de quedas sentidas no último trimestre do ano. O transporte rodoviário de mercadorias também subiu ligeiramente, cerca de 0,8%.

Por outro lado, “o transporte de mercadorias por ferrovia no primeiro trimestre de 2019 registou uma diminuição nas toneladas de 3%”. Esta queda foi, no entanto, “menos acentuada comparativamente com o último trimestre de 2018”, quando caiu 8,4%, refere o INE.

(Notícia atualizada às 12h10)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais passageiros nos comboios, metro e barcos antes do passe único

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião