Weidmann: Guerra comercial pode roubar 1% ao comércio mundial

O presidente do Bundesbank, presente nas reuniões do G20, apontou para 1% a potencial quebra no comércio global a médio prazo em resultado da guerra comercial entre EUA e China.

Os ministros das Finanças do G20 e os representantes dos bancos centrais reuniram-se este fim de semana no Japão, com a guerra comercial a ser o prato forte das discussões. Este domingo assumiram que as tensões comerciais e geopolíticas se “intensificaram”, colocando em risco a progressão da economia mundial. A médio prazo, poderá estar em causa 1% do comércio mundial em resultado da guerra comercial entre os EUA e a China, disse ainda o presidente do Bundesbank.

“O crescimento global parece estar a estabilizar e, em geral, está projetado que retome moderadamente ainda no final deste ano e em 2020”, disseram os líderes das Finanças do G20 num comunicado distribuído no encerramento das reuniões que decorreram em Fukuoka, no sul do Japão, citado pela Reuters. “No entanto, o crescimento permanece baixo e os riscos permanecem inclinados no sentido negativos. O mais importante, é que as tensões comerciais e geopolíticas se intensificaram”, alertaram os responsáveis, acrescentando que irão “continuar a lidar com estes riscos, e preparados para tomarem mais medidas“.

Durante os encontros que decorreram este fim de semana, Weidmann, presidente do banco central alemão, apontou em 1% o potencial de redução do comércio mundial, a médio prazo, em resultado da disputa comercial entre os EUA e a China.

“A economia está a sofrer muito com a incerteza”, justificou o presidente do Bundesbank já após o fim das reuniões do G20.

Outro dos temas que foi discutido nos encontros de ministros das Finanças e responsáveis dos bancos centrais foi a aplicação de taxas aos gigantes tecnológicos. Os líderes do G20 acordaram em criar um conjunto de regras comuns “até 2020” para colmatar as falhas que permitem que gigantes digitais como o Facebook e Google consigam reduzir a sua carga de impostos,

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Weidmann: Guerra comercial pode roubar 1% ao comércio mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião