BRANDS' PESSOAS …E trabalharam felizes, mas não para sempre!

  • BRANDS' PESSOAS
  • 10 Junho 2019

Marta Santos, EY Senior Manager, fala sobre o bem-estar que é, cada vez mais, uma exigência dos colaboradores e uma preocupação das empresas.

A verdade é que não queremos trabalhar para sempre! Mas queremos, e podemos!, trabalhar mais felizes.

Promover o bem-estar é, cada vez mais, uma exigência dos colaboradores e uma preocupação das empresas.

Conseguir atrair e reter talento é um desafio cada vez maior e que implica olhar para os colaboradores, para as suas necessidades e para as suas expectativas, de uma forma holística.

A evolução a que assistimos é a passagem de uma preocupação maioritariamente financeira para uma visão muito mais alargada do que devem ser os benefícios proporcionados aos colaboradores. Não quer isto dizer que a parte financeira não tenha peso – tem! – principalmente nos contextos em que os salários são mais baixos. É uma componente importante e que vai além do que é o pacote remuneratório de cada um. A possibilidade de apoio na gestão financeira dos colaboradores é um benefício que várias empresas têm vindo a desenvolver, de forma a diminuir o risco e a incerteza a este nível. No entanto, sendo a componente financeira essencial, não a única.

O bem-estar dos colaboradores abrange questões tão diversas como a saúde física e mental, a vertente emocional, a vida familiar e social. Será, de uma maneira resumida, a forma como a pessoa se sente relativamente a si própria e à sua vida. Esta forma está fortemente ligada à felicidade.

Os benefícios associados à saúde, são provavelmente os mais comuns: com os seguros de saúde em primeiro lugar; acordos com ginásios para promoção da prática de desporto são também bastante usuais; há cada vez mais empresas com programas de promoção estilos de vida mais saudáveis que vão desde a gestão do stress à promoção do sono ou a hábitos de alimentação saudável; encontramos ainda exemplos de incentivos da prática de mindfullness ou treino de inteligência emocional.

A saúde dos colaboradores é efetivamente um dado fundamental para as empresas. Os custos diretos e indiretos associados a estados de doença dos trabalhadores são muito significativos, pelo que o business case para implementação destas práticas é mais evidente.

Relativamente à vida familiar e social, as empresas têm também um papel fundamental na vida e no bem-estar dos seus trabalhadores. Cada vez mais se fala na importância da flexibilidade de horários de trabalho, da possibilidade de trabalhar remotamente, da questão do equilíbrio entre a vida profissional e a vida familiar.

Associado a esta questão temos também o fator comunitário – as pessoas querem poder ter um impacto positivo na comunidade – seja por participação em programas de responsabilidade social, seja pelo apelo à diminuição da pegada ambiental das empresas, seja pelo propósito da empresa. As pessoas precisam de se sentir inspiradas. Querem fazer a diferença.

As empresas devem olhar para todas estas vertentes dos seus trabalhadores. Mas devem olhar também para o próprio contexto – atendendo às diferentes necessidades e expectativas de cada grupo num ambiente de trabalho cada vez mais diverso.

Quais os níveis de satisfação das nossas pessoas? Com as suas funções e responsabilidades, com o nível de autonomia, nas relações com os pares, as equipas e as chefias, com os espaços e as ferramentas de trabalho…. É fundamental sabermos a resposta a estas questões, para potenciarmos o bem-estar dos colaboradores. Porque passamos no trabalho uma parte muito significativa da nossa vida

A felicidade dos nossos colabores influencia, de forma muito clara e positiva, a motivação, a produtividade, a colaboração e os resultados do negócio. Este é o business case para o investimento no bem-estar dos trabalhadores. Porque estar bem é um passo importante para ser feliz.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

…E trabalharam felizes, mas não para sempre!

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião