Sem travão à produção da OPEP, Rússia vê petróleo a cair para os 30 dólares

O petróleo tem vindo a recuar nos mercados internacionais. E pode cair ainda mais, diz a Rússia. Caso não haja um acordo que limite a produção, preço do barril pode descer para 30 a 40 dólares.

Depois de se aproximar dos 80 dólares, os preços do petróleo têm vindo a recuar nos mercados internacionais. Tensões comerciais, que ameaçam o crescimento mundial, levando a uma quebra da procura, mas também uma oferta elevada estão a pressionar as cotações. E, avisa a Rússia, sem um travão à produção da OPEP, o barril pode descer ainda mais.

“Não sabemos se a OPEP+ [que inclui os países da OPEP e outros grandes produtores como a Rússia] vão chegar a um acordo para limitar a produção ou não. Se não, os preços podem cair abaixo do 40 dólares para 30 dólares por barril“, afirmou o ministro russo da Energia, Alexander Novak, citado pela Reuters.

A reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) está agendada para julho, altura em que termina o acordo atual que ditou uma redução de 1,2 milhões de barris de petróleo por dia.

Um novo acordo para travar a produção é visto pela Rússia como essencial para manter os preços da matéria-prima em valores que sejam comportáveis para os vários países que pertencem ao cartel petrolífero.

Um travão à oferta poderá evitar uma descida abrupta dos preços da matéria-prima, numa altura em que aumentam os receios quanto à procura mundial por petróleo.

Petróleo em queda nos mercados internacionais

Com os EUA e a China em “guerra comercial”, começam a sentir-se os efeitos na economia mundial. O abrandamento da economia global acabará por ter impacto na procura, sendo que havendo muita oferta no mercado acabará por assistir-se a uma descida das cotações mercados internacionais.

Este clima de tensão entre EUA e China levou já os preços a registarem uma queda acentuada nos últimos meses. Depois de se aproximar da fasquia dos 80 dólares, o barril de petróleo tem vindo a perder valor. O Brent, negociado em Londres, está a transacionar nos 63,38 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sem travão à produção da OPEP, Rússia vê petróleo a cair para os 30 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião