PS vira-se para PSD para negociar Lei de Bases da Saúde

  • ECO
  • 19 Junho 2019

Com o chumbo das propostas sobre as parcerias público-privadas na saúde, a aprovação da Lei de Bases afigura-se mais difícil. O PS tenta negociar com o PSD a aprovação final global da lei.

Depois de verem chumbadas as propostas referentes às parcerias público-privadas (PPP) nas votações na especialidade, os socialistas tentam negociar a aprovação final global da Lei de Bases da Saúde com o PSD. Algumas propostas dos sociais-democratas podem ser viabilizadas pelo PS como parte das negociações.

Sem conseguir chegar a consenso com a esquerda, que recusa a possibilidade de continuarem a existir PPP na saúde, o PS terá já iniciado conversas com o PSD, adianta a Renascença (acesso livre). Os socialistas terão sugerido aos sociais-democratas a apresentação de duas ou três propostas, que podem já ter sido chumbadas nas votações indiciárias, para serem viabilizadas pelo PS. Em troca, conseguiam a aprovação do documento na votação final global.

“Tem sido visto como o fim do processo, mas se isto fosse uma procissão nós íamos agora sair da igreja”, adiantou um responsável do PSD à rádio, sobre a discussão da Lei de Bases da Saúde. Deverá ser até ao início da próxima semana que os sociais-democratas apresentam as propostas, para depois se avançar para as votações na especialidade a 2 de julho.

Conforme o decorrer das negociações entre os partidos, as PPP podem ainda estar em cima da mesa. Com a rejeição das propostas sobre as PPP nas votações indiciárias, que têm ainda de ser confirmadas, o tema deve ficar de fora do documento final que será votado em plenário. Mas o PS pode avocar as propostas nessa altura, votando-as novamente mas desta vez no hemiciclo.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS vira-se para PSD para negociar Lei de Bases da Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião