Movimentos, especialistas e populações recusam exploração de lítio “a qualquer preço”

  • Lusa
  • 22 Junho 2019

Quercus e os demais movimentos ambientalistas ou populares não estão contra o lítio, mas sim contra a forma como o processo está a decorrer.

Movimentos ambientalistas, populações e especialistas defenderam hoje, no Barco, concelho da Covilhã, que a exploração de lítio em Portugal não pode ser feita a qualquer preço e exigiram que os partidos clarifiquem posições na próxima campanha eleitoral.

“É uma questão nacional e neste momento parece que o lítio é um mineral emergente, mas a exploração não pode ser a qualquer preço. Portugal não pode querer ser o maior produtor de lítio da Europa, quando se está a pôr em causa o direito à vida nas regiões“, afirmou Anselmo Gonçalves, investigador do Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT).

Este especialista falava à margem do primeiro Fórum Nacional para discutir a problemática do lítio, que hoje juntou especialistas, representantes de movimentos ambientalistas e membros de vários grupos cívicos de diferentes pontos do país para onde foram apresentados pedidos de prospeção e concessão para lítio e outros minerais.

Organizada pela Quercus, esta iniciativa decorre no Barco, localidade do concelho da Covilhã, distrito de Castelo Branco, que está a poucos metros da serra da Argemela, sob a qual recai um pedido de concessão mineira que abrange mais de 400 hectares.

Uma exploração que a população teme que venha a ser aprovada, pondo em causa o ambiente a paisagem, os cursos de água, a fauna e a flora e representando um “golpe severo” para a saúde e qualidade de vida dos que ali vivem, como apontou o presidente da Junta de Freguesia do Barco, Luís Morais.

Estamos a falar da poluição sonora com o ruído constante do equipamento e das explosões, da poluição atmosférica com a quantidade de pós produzida e que se depositará nas plantas e árvores, da poluição das águas e da alteração de cursos subterrâneos e da contaminação dos lençóis freáticos e do rio Zêzere“, disse.

Prejuízos que o investigador do CEGOT também aponta: “Rasgam-se colinas, altera-se a vegetação, exterminam-se as espécies e contaminam-se os lençóis de água”, salientou.

Anselmo Gonçalves assume que “temporariamente” as explorações podem levar riqueza aos territórios, mas reitera que o passivo ambiental e os danos para a saúde permanecem por muito mais tempo.

O receio dos impactos que a “grande corrida” a este mineral pode representar nomeadamente ao nível das zonas protegidas é também destacado pelo presidente da Quercus, Paulo do Carmo.

Sublinhando que a Quercus e os demais movimentos presentes não estão contra o lítio, mas sim contra a forma como o processo está a decorrer, Paulo do Carmo sublinha que as eventuais explorações não podem ser aprovadas quando estão em causa áreas protegidas, ‘habitats’ naturais e prejuízos para a vida das pessoas.

Paulo do Carmo garantiu que a causa “alerta lítio” (nome dado a uma petição pública e a uma plataforma digital informativa) irá manter-se para informar e mobilizar.

Por outro lado, mostrou-se esperançado de que, perante a posição das pessoas, o Governo consiga perceber “que tem de recuar” e defendeu que este assunto deve entrar “na agenda política”.

Uma opinião que é partilhada pelo presidente da AZU – Ambiente nas Zonas Uraníferas, António Minhoto, que exigiu que os partidos políticos se pronunciem sobre a questão na próxima campanha eleitoral.

“Qual é a posição dos partidos sobre a exploração de lítio? E em que condições? Nestas eleições os partidos têm de ser claros nesta matéria”, acrescentou.

António Minhoto também ressalvou que a AZU não está contra a exploração de recursos, estando, todavia, “de pé atrás”.

Para este responsável, não é possível avançar com este processo sem olhar para os “erros trágicos” do passado e que permanecem sem resolução, seja ao nível do urânio, seja no volfrâmio, com destaque para as Minas da Panasqueira, que também ficam perto da localidade do Barco e cujos riscos ambientais têm estado na ordem do dia.

Por seu turno, a Câmara da Covilhã garante que estará ao lado das populações, tal como referiu Hélio Fazendeiro, chefe de gabinete do presidente deste município que é liderado pelo socialista Vítor Pereira.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Movimentos, especialistas e populações recusam exploração de lítio “a qualquer preço”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião