Movimentos, especialistas e populações recusam exploração de lítio “a qualquer preço”

  • Lusa
  • 22 Junho 2019

Quercus e os demais movimentos ambientalistas ou populares não estão contra o lítio, mas sim contra a forma como o processo está a decorrer.

Movimentos ambientalistas, populações e especialistas defenderam hoje, no Barco, concelho da Covilhã, que a exploração de lítio em Portugal não pode ser feita a qualquer preço e exigiram que os partidos clarifiquem posições na próxima campanha eleitoral.

“É uma questão nacional e neste momento parece que o lítio é um mineral emergente, mas a exploração não pode ser a qualquer preço. Portugal não pode querer ser o maior produtor de lítio da Europa, quando se está a pôr em causa o direito à vida nas regiões“, afirmou Anselmo Gonçalves, investigador do Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT).

Este especialista falava à margem do primeiro Fórum Nacional para discutir a problemática do lítio, que hoje juntou especialistas, representantes de movimentos ambientalistas e membros de vários grupos cívicos de diferentes pontos do país para onde foram apresentados pedidos de prospeção e concessão para lítio e outros minerais.

Organizada pela Quercus, esta iniciativa decorre no Barco, localidade do concelho da Covilhã, distrito de Castelo Branco, que está a poucos metros da serra da Argemela, sob a qual recai um pedido de concessão mineira que abrange mais de 400 hectares.

Uma exploração que a população teme que venha a ser aprovada, pondo em causa o ambiente a paisagem, os cursos de água, a fauna e a flora e representando um “golpe severo” para a saúde e qualidade de vida dos que ali vivem, como apontou o presidente da Junta de Freguesia do Barco, Luís Morais.

Estamos a falar da poluição sonora com o ruído constante do equipamento e das explosões, da poluição atmosférica com a quantidade de pós produzida e que se depositará nas plantas e árvores, da poluição das águas e da alteração de cursos subterrâneos e da contaminação dos lençóis freáticos e do rio Zêzere“, disse.

Prejuízos que o investigador do CEGOT também aponta: “Rasgam-se colinas, altera-se a vegetação, exterminam-se as espécies e contaminam-se os lençóis de água”, salientou.

Anselmo Gonçalves assume que “temporariamente” as explorações podem levar riqueza aos territórios, mas reitera que o passivo ambiental e os danos para a saúde permanecem por muito mais tempo.

O receio dos impactos que a “grande corrida” a este mineral pode representar nomeadamente ao nível das zonas protegidas é também destacado pelo presidente da Quercus, Paulo do Carmo.

Sublinhando que a Quercus e os demais movimentos presentes não estão contra o lítio, mas sim contra a forma como o processo está a decorrer, Paulo do Carmo sublinha que as eventuais explorações não podem ser aprovadas quando estão em causa áreas protegidas, ‘habitats’ naturais e prejuízos para a vida das pessoas.

Paulo do Carmo garantiu que a causa “alerta lítio” (nome dado a uma petição pública e a uma plataforma digital informativa) irá manter-se para informar e mobilizar.

Por outro lado, mostrou-se esperançado de que, perante a posição das pessoas, o Governo consiga perceber “que tem de recuar” e defendeu que este assunto deve entrar “na agenda política”.

Uma opinião que é partilhada pelo presidente da AZU – Ambiente nas Zonas Uraníferas, António Minhoto, que exigiu que os partidos políticos se pronunciem sobre a questão na próxima campanha eleitoral.

“Qual é a posição dos partidos sobre a exploração de lítio? E em que condições? Nestas eleições os partidos têm de ser claros nesta matéria”, acrescentou.

António Minhoto também ressalvou que a AZU não está contra a exploração de recursos, estando, todavia, “de pé atrás”.

Para este responsável, não é possível avançar com este processo sem olhar para os “erros trágicos” do passado e que permanecem sem resolução, seja ao nível do urânio, seja no volfrâmio, com destaque para as Minas da Panasqueira, que também ficam perto da localidade do Barco e cujos riscos ambientais têm estado na ordem do dia.

Por seu turno, a Câmara da Covilhã garante que estará ao lado das populações, tal como referiu Hélio Fazendeiro, chefe de gabinete do presidente deste município que é liderado pelo socialista Vítor Pereira.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Movimentos, especialistas e populações recusam exploração de lítio “a qualquer preço”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião