FMI: Guerra comercial entre EUA e China não beneficia ninguém

  • Lusa
  • 24 Junho 2019

Lagarde avistou que a disputa comercial entre as duas maiores economia do mundo reduzirão crescimento mundial em 0,5% em 2020, devido ao aumento de 25% das taxas aduaneiras a produtos chineses.

A guerra comercial entre os EUA e a China não beneficiará quem quer que seja a longo prazo, advertiu esta segunda-feira a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, durante uma visita oficial à Malásia.

As perdas afetarão também os países que a curto ou médio prazo estão a encontrar oportunidades comerciais graças às tensões entre as duas potências económicas, afirmou Lagarde.

O FMI teme uma “redução de 0,5% do crescimento mundial para 2020 devido ao acréscimo de 25% das taxas aduaneiras sobre determinados produtos chineses pelos EUA”, assegurou aos meios de comunicação social a política francesa.

A máxima representante do FMI expressou numa conferência de imprensa conjunta com a governadora do Banco Central da Malásia, Shamsiah Mohd Yunus, a sua “preocupação” com a escalada protecionista entre as duas potências, apesar de ter precisado que este ano “o crecimento não se verá reduzido” devido ao lento desenvolvimento da economia mundial.

Uma guerra comercial traduzir-se-á, segundo Lagarde, que participará este fim de semana no Japão na reunião do G20, em travagens dos investimentos, comércio e consumo, segundo a agência oficial malaia Bernama.

Qualquer passo para resolver a situação atual de tensões é positivo para a economia mundial, adiantou a responsável do fundo, que durante a visita à Malásia deverá encontrar-se com o primeiro-ministro do país, Mahathir Mohamad, e com o ministro da Economia, Lim Guan Eng, para debater medidas para combater a corrupção e outras políticas económicas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI: Guerra comercial entre EUA e China não beneficia ninguém

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião