Carlos Oliveira nomeado conselheiro do Conselho Europeu da Inovação

Para além da nomeação do ex-secretário de Estado, a Comissão Europeia anunciou a atribuição de 149 milhões a empresas que estão desenvolver inovações disruptivas. Seis dessas empresas são portuguesas.

O ex-secretário de Estado Carlos Oliveira foi nomeado esta quinta-feira pela Comissão Europeia como conselheiro do Conselho Europeu de Inovação (CEI). É o único português num grupo de 22 peritos.

Carlos Oliveira, presidente executivo da Fundação José Neves (Farfetch), ex-Presidente da Invest Braga e ex-secretário de Estado da Inovação, será um dos membros do Conselho Consultivo, que será presidido por Mark Ferguson, empresário e Presidente da Fundação da Ciência na Irlanda.

“É um prazer e uma enorme responsabilidade fazer parte do Conselho Consultivo do Conselho Europeu de Inovação e participar na definição do futuro da inovação na Europa”, diz Carlos Oliveira.

“Acredito que a inovação é um dos pilares fundamentais para o desenvolvimento da Europa e espero que este organismo possa contribuir para uma mudança no ecossistema empreendedor e inovador e que permita à Europa voltar a assumir a liderança mundial no que diz respeito à inovação“, salienta o responsável, citado num comunicado de imprensa.

"Com o CEI, estamos a colmatar uma lacuna crítica no financiamento do ecossistema da inovação e a colocar a Europa na vanguarda da inovação geradora de mercados. Congratulo-me com o facto de o CEI vir a ser aconselhado por alguns dos melhores inovadores e investidores da Europa, e estou certo de que conseguiremos atrair gestores de programas talentosos para levar a cabo estes projetos.”

Carlos Moedas

Comissário europeu responsável pela Investigação, Ciência e Inovação, que tutela o CEI

O CEI ainda está em fase-piloto mas a partir de 2021 será uma realidade no no âmbito do próximo programa de investigação e inovação da União Europeia, Horizonte Europa, com uma proposta de orçamento de 100 mil milhões de euros para o período 2021/2027.

Seis empresas portuguesas financiadas

A Comissão Europeia anunciou, ao mesmo tempo, a atribuição de 149 milhões de euros para financiar 83 PME e empresas em fase de arranque (start-up). Estas empresas vão receber apoio financeiro e técnico no âmbito do projeto-piloto Accelerator do Conselho Europeu da Inovação (CEI), anteriormente conhecido como Instrumento para PME-Fase 2.

Entre estas empresas financiadas, encontram-se seis empresas portuguesas, que, tal como as demais, estão a desenvolver inovações disruptivas.

  1. A MyDidimo, de Leça da Palmeira será financiada com 1.8 milhões de euros. Conhecida por transforma fotografias em humanos tridimensionais digitais (os didimos) com múltiplas aplicações em linha – por exemplo com esta app é possível vermos se a roupa que compramos na Internet nos fica bem.
  2. A Nuada, de Braga, desenvolveu uma luva eletrónica inteligente que permite levantar pesos até 40 kg protegendo as mãos do utilizador através de um sistema de tendões artificiais. Destina-se tanto a idosos ou vítimas de AVC como a trabalhadores em atividades pesadas (linhas de montagem, construção civil, etc.). Vai receber um financiamento de 1.7 milhões de euros.
  3. A empresa Winegrid, de Aveiro, vai receber um financiamento de 1.59 milhões de euros. A Winegrid utiliza a inteligência artificial num sistema de sensores de fibra ótica para a monitorização em tempo real das propriedades do vinho durante a vinificação.
  4. A Cleverly, de Lisboa, desenvolveu o COALA, um software baseado em inteligência artificial para responder a chamadas telefónicas em serviços de apoio a clientes, resultando em ganhos de eficácia e redução de custos para as empresas. Receberá 1.5 milhões de euros de financiamento.
  5. A Pro Drone, também de Lisboa, criou um drone capaz de simplificar as operações de inspeção de turbinas eólicas e vai receber um financiamento de 1.3 milhões de euros.
  6. A Sound Particles, de Leiria, vai receber um financiamento de 1.2 milhões de euros. Desenvolveu um software para áudio em 3D, com múltiplas aplicações em cinema, jogos de vídeo e música.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Carlos Oliveira nomeado conselheiro do Conselho Europeu da Inovação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião