Carlos Oliveira nomeado conselheiro do Conselho Europeu da Inovação

Para além da nomeação do ex-secretário de Estado, a Comissão Europeia anunciou a atribuição de 149 milhões a empresas que estão desenvolver inovações disruptivas. Seis dessas empresas são portuguesas.

O ex-secretário de Estado Carlos Oliveira foi nomeado esta quinta-feira pela Comissão Europeia como conselheiro do Conselho Europeu de Inovação (CEI). É o único português num grupo de 22 peritos.

Carlos Oliveira, presidente executivo da Fundação José Neves (Farfetch), ex-Presidente da Invest Braga e ex-secretário de Estado da Inovação, será um dos membros do Conselho Consultivo, que será presidido por Mark Ferguson, empresário e Presidente da Fundação da Ciência na Irlanda.

“É um prazer e uma enorme responsabilidade fazer parte do Conselho Consultivo do Conselho Europeu de Inovação e participar na definição do futuro da inovação na Europa”, diz Carlos Oliveira.

“Acredito que a inovação é um dos pilares fundamentais para o desenvolvimento da Europa e espero que este organismo possa contribuir para uma mudança no ecossistema empreendedor e inovador e que permita à Europa voltar a assumir a liderança mundial no que diz respeito à inovação“, salienta o responsável, citado num comunicado de imprensa.

"Com o CEI, estamos a colmatar uma lacuna crítica no financiamento do ecossistema da inovação e a colocar a Europa na vanguarda da inovação geradora de mercados. Congratulo-me com o facto de o CEI vir a ser aconselhado por alguns dos melhores inovadores e investidores da Europa, e estou certo de que conseguiremos atrair gestores de programas talentosos para levar a cabo estes projetos.”

Carlos Moedas

Comissário europeu responsável pela Investigação, Ciência e Inovação, que tutela o CEI

O CEI ainda está em fase-piloto mas a partir de 2021 será uma realidade no no âmbito do próximo programa de investigação e inovação da União Europeia, Horizonte Europa, com uma proposta de orçamento de 100 mil milhões de euros para o período 2021/2027.

Seis empresas portuguesas financiadas

A Comissão Europeia anunciou, ao mesmo tempo, a atribuição de 149 milhões de euros para financiar 83 PME e empresas em fase de arranque (start-up). Estas empresas vão receber apoio financeiro e técnico no âmbito do projeto-piloto Accelerator do Conselho Europeu da Inovação (CEI), anteriormente conhecido como Instrumento para PME-Fase 2.

Entre estas empresas financiadas, encontram-se seis empresas portuguesas, que, tal como as demais, estão a desenvolver inovações disruptivas.

  1. A MyDidimo, de Leça da Palmeira será financiada com 1.8 milhões de euros. Conhecida por transforma fotografias em humanos tridimensionais digitais (os didimos) com múltiplas aplicações em linha – por exemplo com esta app é possível vermos se a roupa que compramos na Internet nos fica bem.
  2. A Nuada, de Braga, desenvolveu uma luva eletrónica inteligente que permite levantar pesos até 40 kg protegendo as mãos do utilizador através de um sistema de tendões artificiais. Destina-se tanto a idosos ou vítimas de AVC como a trabalhadores em atividades pesadas (linhas de montagem, construção civil, etc.). Vai receber um financiamento de 1.7 milhões de euros.
  3. A empresa Winegrid, de Aveiro, vai receber um financiamento de 1.59 milhões de euros. A Winegrid utiliza a inteligência artificial num sistema de sensores de fibra ótica para a monitorização em tempo real das propriedades do vinho durante a vinificação.
  4. A Cleverly, de Lisboa, desenvolveu o COALA, um software baseado em inteligência artificial para responder a chamadas telefónicas em serviços de apoio a clientes, resultando em ganhos de eficácia e redução de custos para as empresas. Receberá 1.5 milhões de euros de financiamento.
  5. A Pro Drone, também de Lisboa, criou um drone capaz de simplificar as operações de inspeção de turbinas eólicas e vai receber um financiamento de 1.3 milhões de euros.
  6. A Sound Particles, de Leiria, vai receber um financiamento de 1.2 milhões de euros. Desenvolveu um software para áudio em 3D, com múltiplas aplicações em cinema, jogos de vídeo e música.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Oliveira nomeado conselheiro do Conselho Europeu da Inovação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião