Estado investiu mais de 1,3 milhões em publicidade institucional

  • Lusa e ECO
  • 5 Julho 2019

O Estado gastou 1,3 milhões de euros em publicidade institucional. Foi investido mais dinheiro em publicidade através da televisão do que em campanhas de sensibilização para a redução dos incêndios.

Os serviços da administração direta do Estado, os institutos e entidades que integram o setor público empresarial investiram mais de 1,3 milhões de euros em publicidade institucional em 2018, valor que compara com os 914.806 euros do período homólogo, foi anunciado.

“Em 2018, os serviços da administração direta do Estado, os institutos públicos e as entidades que integram o setor público empresarial do Estado comunicaram à ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social a realização de 136 campanhas de publicidade institucional do Estado, num total de 1.322.464,33 euros”, indicou, em comunicado, o regulador.

Tendo em conta a totalidade dos investimentos comunicados na plataforma digital da ERC, em 2018, “constata-se que o montante global foi significativamente mais elevado, relativamente ao ano de 2017 (914.806,77 euros)”, sendo a rádio o único meio onde ocorreu uma descida do valor foi.

De acordo com a ERC, no período em causa, o meio que mais se destacou foi a televisão, onde foram investidos 595.040 euros, sendo que “os serviços de programas generalistas foram a opção mais selecionada”.

Por sua vez, na imprensa o investimento fixou-se em 350 mil euros, seguindo-se a rádio com cerca de 262 mil euros e o digital com pouco mais de 32 mil euros.

“Verificou-se também que 11 das 19 entidades que comunicaram à ERC despesas em campanhas de publicidade institucional do Estado investiram em meios de comunicação social regionais e locais, atingindo um total de 309.804,68 euros, o que corresponde a um valor percentual de 23,4% do total anual investido na aquisição de espaços publicitários”, lê-se no documento.

Já o valor mais elevado que foi comunicado correspondeu à campanha de sensibilização para a redução dos incêndios rurais, promovida pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que atingiu 549.948,91 euros, dos quais 151.831,30 euros foram investidos em meios de comunicação social regionais e locais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado investiu mais de 1,3 milhões em publicidade institucional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião