Pepsi lucra mais de 3 mil milhões em meio ano

  • Lusa e ECO
  • 9 Julho 2019

A Pepsi obteve um lucro de 3.077 milhões de euros apenas no primeiro semestre deste ano. A multinacional obteve até junho um lucro líquido por ação de cerca de 2,18 euros.

O lucro da PepsiCo aumentou 8,3% para 3.448 milhões de dólares (3.077 milhões de euros) no primeiro semestre deste ano, face ao mesmo período de 2018, divulgou o grupo de refrigerantes e produtos alimentares.

Após ter lançado novos produtos e reforçado a venda de marcas já estabelecidas, a multinacional presidida pelo espanhol Ramón Laguarta obteve até junho um lucro líquido por ação de 2,44 dólares (cerca de 2,18 euros), acima dos 2,21 dólares (cerca de 1,97 euros) por título do período homólogo, em que o resultado líquido se fixou nos 3.163 milhões de dólares (2.823 milhões de euros).

Na primeira metade do ano, as receitas da multinacional aumentaram 3% para 29.333 milhões de dólares (26.179 milhões de euros), com os custos operacionais a abrandarem para uma subida homóloga de 1%, para 13.092 milhões de dólares (11.684 milhões de euros).

Considerando apenas o segundo trimestre de 2019, a companhia obteve um lucro de 2.035 milhões de dólares (1.816 milhões de euros – 1,44 dólares/1,29 euros por ação), uma subida de 10% face ao período homólogo, em que o resultado líquido somou 1.820 milhões de dólares (1.624 milhões de euros).

Entre abril e junho, a faturação da PepsiCo aumentou 2,2% para 16.449 milhões de dólares (14.679 milhões de euros) e os custos operacionais subiram 1,9% para 7.404 milhões de dólares (6.607 milhões de euros), acima das estimativas dos analistas.

O crescimento orgânico das receitas, excluindo flutuações cambiais, aquisições e alienações, foi de 4,5%.

Citado pela agência Efe, o presidente executivo da Pepsico congratulou-se com os resultados do último trimestre, notando que os efeitos cambiais penalizaram a faturação.

Sob a presidência executiva de Ramon Laguarta, que em outubro passado substituiu Indra Nooyi no cargo de presidente executivo, a companhia aumentou os gastos em publicidade e redes de distribuição, diversificando a sua linha de produtos e alterando as embalagens.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pepsi lucra mais de 3 mil milhões em meio ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião