EDP Renováveis produziu mais energia no primeiro semestre

A produção da empresa de energias renováveis aumentou 5% nos seis meses do ano, com a contribuição positiva de todos os mercados à excepção de Portugal.

A EDP Renováveis registou um aumento de 5% na produção de energia no primeiro semestre do ano, contando com a contribuição de todos os seus mercados, à exceção de Portugal, revelou a empresa liderada por Manso Neto nesta quarta-feira. Esse incremento de produção, beneficiou da capacidade adicionada nos últimos 12 meses, revela o comunicado enviado ao mercado.

De acordo com os resultados operacionais hoje divulgados, em termos globais, a produção da energética portuguesa ascendeu a 16,2 TWh nos seis primeiros meses do ano, um aumento de 5% face aos 15,45 Twh registados no mesmo período de 2018.

O Brasil foi o mercado a registar o maior incremento percentual de produção (66%), mas a América do Norte continua a ser o mercado mais relevante para a EDP Renováveis. Aí foram produzidos 8,4 TWh, um aumento de 2% face ao período homólogo.

Portugal foi o único país onde a produção diminuiu (2%), revelam ainda os dados, baixando para cerca de 1,6 TWh. Já em Espanha foi registada uma subida de 5% na produção, com aquele mercado a continuar a ser o mercado mais relevante a nível europeu, onde o incremento da produção foi na ordem dos 4%.

De acordo com a EDP renováveis, o crescimento da geração de energia na Europa esteve relacionado com o “aumento da capacidade e recurso eólico estável.” Já na América do Norte, o acréscimo refletiu a “capacidade adicional apesar de menor recurso eólico” no primeiro trimestre, enquanto no Brasil, a “adição de nova capacidade” esteve na base do incremento de produção registado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP Renováveis produziu mais energia no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião