Startup de nutrição criada por portugueses recebe investimento de 3 milhões

  • Lusa e ECO
  • 10 Julho 2019

"O dinheiro servirá para financiar a transformação das saquetas que contêm os batidos em pó de apenas recicláveis para compostáveis, diz o cofundador da startup.

Uma ‘startup’ criada por dois portugueses para incentivar o consumo diário de vegetais e frutas através de saquetas em pó anunciou ter recebido um investimento de três milhões de euros.

O dinheiro servirá para financiar a transformação das saquetas que contêm os batidos em pó de apenas recicláveis para compostáveis, disse à Lusa Ricardo Vice Santos, cofundador e diretor de negócio da ‘startup’ kencko, que criou em conjunto com Tomás Froes.

“Não queríamos criar mais plástico e depois de recebermos este investimento queremos investir em compostáveis”, explicou o executivo, que segue uma alimentação vegana e disse que a sustentabilidade é uma paixão sua. O aumento dos custos de produção das saquetas, que passarão a ser feitas com celulose, será assim absorvido pela empresa.

Entre as entidades que lideram a ronda de investimento (3,4 milhões de dólares) estão a NextView Ventures, a LocalGlobe, a Kairos Ventures, a Techstars, a Max Ventures e vários executivos da gigante alimentar Danone.

A empresa foi fundada em 2018 com sede em Nova Iorque e escritório em Lisboa, onde está grande parte da equipa de desenvolvimento do produto, sendo que a empresa tem neste momento 20 funcionários.

A kencko utiliza um método similar à tecnologia que permite à NASA enviar alimentos para o espaço, congelando e desidratando vegetais e frutas biológicas sem perda de nutrientes nem necessidade de aditivos. Os sabores incluem cinco ou seis ingredientes, como o “Coral”, que tem beterraba, maçã, cenoura, laranja, manga e gengibre, e o consumidor pode juntar água ou leite.

“A missão é ajudar as pessoas a terem uma nutrição melhor”, resumiu Ricardo Vice Santos, que foi o responsável pela expansão internacional do Spotify entre 2011 e 2014 e depois fundou a Roger Talk nos Estados Unidos.

O modelo de negócio da kencko baseia-se em subscrições online, sendo o ideal a entrega de caixas de 20 saquetas a cada 4 semanas por 60 dólares. O consumidor pode optar por outra periodicidade e a primeira caixa inclui uma garrafa reutilizável para beber os batidos.

Ricardo Vice Santos disse que a empresa alcançou “milhares de subscritores” antes mesmo de fazer esforços de marketing, tendo estado mais focada no desenvolvimento do produto e na construção da experiência.

Com vegetais e frutas vindos de várias partes do mundo, o embalamento é feito na Alemanha e as caixas de cartão são produzidas em Portugal, de onde seguem para os Estados Unidos.

O responsável frisou que Califórnia e Nova Iorque são mercados bastante interessantes, mas não os únicos onde a proposta da empresa pode ter sucesso. “Há outros sítios mais contraintuitivos onde temos notado bastante aderência, com baixo custo de aquisição porque há menos ofertas deste tipo”, explicou, nomeando Texas e Florida como dois estados onde a kencko está a vender bem.

Illinois e Nebraska são outros exemplos: “não há tanta gente com capital disponível mas como há menos oferta nestes mercados e a kencko entrega em todo o lado, temos bastante interesse porque há pouca gente a ir atrás destas audiências”.

A ideia para as saquetas da kencko surgiu quando o cofundador Tomás Froes foi diagnosticado com gastrite aguda e descobriu que uma dieta baseada em frutas e vegetais permitia substituir os medicamentos. A necessidade de uma solução conveniente para consumir a dose diária de frutas e vegetais levou-o à ideia da nutrição saudável em pó.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup de nutrição criada por portugueses recebe investimento de 3 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião