Produção da Galp Energia subiu 3% no 2.º trimestre, mas dá sinais de abrandamento

A produção de petróleo da Galp Energia abrandou no segundo trimestre do ano, ficando-se por um crescimento de 3%. Pior foi a performance da área de refinação e distribuição que registou quebras.

A Galp Energia aumentou em 3% a produção média diário de petróleo para um total de 109,7 mil barris por dia durante o segundo trimestre de 2019. A evolução consta dos dados preliminares da empresa publicados esta segunda-feira na Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Apesar da evolução positiva, a variação da produção entre abril e junho representa uma desaceleração face ao crescimento de 8% que a Galp Energia registou no primeiro trimestre do ano.

Os dados preliminares do segundo trimestre do ano dão ainda conta de um crescimento da produção em Angola de 8,7 mil barris/dia (1.º trimestre) para 12,1 mil barris por dia, um aumento de 40% que se explica com a entrada em funcionamento de duas unidades de produção flutuantes no projeto Kaombo.

Também a produção bruta de matéria-prima, sobretudo petróleo, que inclui todos os custos decorrentes das operações, medida no indicador “working interest” registou uma subida de 3% face ao segundo trimestre de 2018, fixando-se nos 111,7 mil barris produzidos por dia.

Já a refinação e distribuição registaram uma quebra de 10% nas matérias-primas processadas, enquanto nas vendas de produtos refinados houve um recuou de 4%, face ao período homólogo.

As vendas totais de gás natural ou liquefeito mantiveram-se quase inalteradas e as vendas a clientes diretos cresceram 6%. Já as vendas no mercado internacional (“trading”) deslizaram 10% face a igual período do ano passado e 16% em relação às vendas entre janeiro e março.

Os dados preliminares agora conhecidos pretendem dar uma estimativa sobre as condições macroeconómicas operacionais e comerciais a que a Galp esteve sujeita no segundo trimestre de 2019, mas a empresa frisa que os dados disponíveis são valores preliminares e que toda a informação está sujeita a alterações e pode diferir dos resultados a publicar no dia 29 de julho.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produção da Galp Energia subiu 3% no 2.º trimestre, mas dá sinais de abrandamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião