Candidaturas de acesso à faculdade arrancam hoje com 51.568 vagas

  • Lusa
  • 17 Julho 2019

As candidaturas às faculdades arrancam esta quarta-feira e encerram a 6 de agosto. Vagas disponíveis deverão manter-se semelhantes às do ano passado, assim como o número de candidatos.

A primeira fase de candidatura ao ensino superior começa esta quarta-feira e termina no início de agosto, com mais de 50 mil vagas no concurso nacional de acesso, um total praticamente inalterado face a 2018.

Segundo dados oficiais divulgados esta quarta-feira, o número de vagas no concurso nacional de acesso deste ano é praticamente igual ao de 2018, quando foram a concurso 50.852 vagas. No total, contabilizando também os concursos locais de acesso, os lugares disponíveis são 51.568.

Em 2019, os candidatos têm 1.087 cursos à disposição nas universidades e politécnicos públicos e a expectativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) é que o número de candidatos seja semelhante ao de 2018. “Face aos resultados dos exames nacionais já realizados é expectável que o número de candidatos às vagas colocadas a concurso seja também semelhante face ao ano anterior”, lê-se numa nota do MCTES.

Os cursos em que a procura em primeira opção por alunos com uma média de candidatura superior a 17 valores em 2018 foi superior ao total de vagas que abriram estão obrigados a aumentar o número de vagas entre 5% a 15% para o ano letivo de 2019-2020, segundo uma decisão do MCTES, que deixou de fora os cursos de Medicina, que mantêm o “numerus clausus” do ano passado.

A medida não significa mais vagas em todas as universidades e politécnicos, uma vez que as instituições têm de cortar 5% onde não houve nenhum candidato com média de 17 valores.

As instituições do litoral do país — exceto Lisboa e Porto — estão impedidas de aumentar o número total de vagas, o que poderá significar reajustes: ao aumentar num curso muito procurado, têm de cortar noutro com pouca procura. Já nas instituições de menor pressão demográfica ou menor procura, situadas maioritariamente no interior do país, é dada a possibilidade de aumentar vagas em cursos considerados estratégicos para a especialização da instituição, num máximo de três cursos por instituição.

Em todas as regiões é recomendado o reforço da oferta em áreas que a tutela considera essenciais ao país na formação: competências digitais e ciências de dados. No ano passado, em que Lisboa e Porto sofreram um corte de 1.100 vagas para privilegiar a escolha de cursos em universidades e politécnicos do interior do país, o concurso nacional de acesso atraiu menos de 50 mil candidatos para as mais de 50 mil vagas.

O portal Infocursos, da responsabilidade da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, apresenta estatísticas que podem ajudar os estudantes a escolher um curso. Tem ainda informações que permitem saber quantos alunos tinham mudado de curso um ano depois de terem ingressado e quantos continuavam à procura de emprego um ano após terem terminado os estudos.

Através do endereço http://infocursos.pt também se consegue saber quantos são os estudantes estrangeiros matriculados em licenciaturas e mestrados do sistema público e privado, conhecer a distribuição de alunos por idade, género e nacionalidade e sobre a distribuição das classificações finais dos diplomados. Há também tabelas sobre o número de estudantes de licenciatura e mestrado que saíram do ensino superior público um ano após começarem o curso, que no geral tem vindo a descer desde 2015.

A primeira fase de candidaturas ao ensino superior arranca hoje e decorre até 6 de agosto. “Tal como nos anos anteriores, a candidatura é apresentada através do sistema online, no sítio da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES). Para acesso ao sistema de candidatura, os candidatos podem utilizar a autenticação com o cartão de cidadão”, esclarece o MCTES.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Candidaturas de acesso à faculdade arrancam hoje com 51.568 vagas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião