ISCTE-IUL quer ensino superior mais igual entre os géneros

  • Ricardo Vieira
  • 6 Junho 2019

A instituição tem uma equipa reitoral com mais mulheres do que homens e contratou mais investigadoras no último ano. Adotou também medidas de conciliação entre vida pessoal e profissional.

O ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa apresenta esta segunda-feira um conjunto de medidas para promover a igualdade de género no ensino superior. Isto, no âmbito do projeto SAGE (Systemic Action for Gender Equality), financiado pela Comissão Europeia, que reúne um conjunto de sete universidades com o objetivo de implementar planos de intervenção para a igualdade de género nas instituições de ensino superior.

“O dia do SAGE destina-se a divulgar os resultados obtidos em cada país, no que respeita à inclusão de medidas para a igualdade de género no ensino superior. Em Portugal, o ISCTE-IUL lidera esta parceria, tendo também como missão sensibilizar e recolher adesões de outras instituições nacionais à Carta de Princípios para a Igualdade no Ensino Superior elaborada no âmbito do projeto SAGE”, explica Lígia Amâncio, investigadora no Centro de Investigação e Intervenção Social e coordenadora do projeto SAGE pelo ISCTE-IUL.

Em dois anos de trabalho, o ISCTE-IUL apresenta já resultados no âmbito do trabalho pela igualdade de género. “Em 2018, com a eleição da nova Reitora, Maria de Lurdes Rodrigues, a equipa reitoral do ISCTE-IUL passou a ser constituída por uma maioria de mulheres, rompendo com a tradição de equipas reitorais maioritária ou exclusivamente masculinas”, sublinha Lígia Amâncio.

Além da equipa reitoral, composta por quatro mulheres e três homens, a instituição de ensino superior alterou o equilíbrio de género a nível do recrutamento e, em 2018, 61% dos novos contratos de investigação foram assinados por mulheres.
Comprometeu-se, ainda, a implementar uma recolha sistemática de dados sobre o género na instituição, bem como a apresentar estatísticas desagregadas por sexo nos relatórios oficiais.

O ISCTE-IUL, que introduziu a obrigatoriedade da referência à igualdade de género em todos os anúncios de recrutamento, promove também a formação sobre obstáculos estruturais destinada às direções das Escolas e Unidades de Investigação.

Ainda em matéria laboral, e para promover a articulação trabalho-família ao nível da instituição, a universidade formalizou uma política que estabelece um horário de marcação de reuniões entre as 10h e as 16h30. Numa parceria com a Universidade de Lisboa, foi assinado um protocolo o acesso ao jardim-de-infância desta instituição.

A Carta de Princípios para a Igualdade no Ensino Superior, que o ISCTE-IUL quer ver adotada por outras instituições do ensino superior, defende, entre outras medidas, a eliminação das disparidades salariais entre homens e mulheres, melhoria da igualdade de género em todos os níveis das carreiras académicas, promover a diversidade e igualdade de género em oportunidades de pesquisa e financiamento.

O consórcio do projeto SAGE é coordenado pelo Trinity College Dublin – Trinity Center for Gender Equality and Leadership, sendo ainda integrado, além do ISCTE-IUL, pela Queen´s University Belfast, International University of Sarajevo, Kadir Has University (Istambul), Science Po Bordeaux e University of Brescia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ISCTE-IUL quer ensino superior mais igual entre os géneros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião