IHRU vai investir 2,8 milhões para disponibilizar 3.500 casas com rendas acessíveis em Almada

O IHRU vai investir 2,8 milhões de euros para reabilitar e construir casas com rendas acessíveis para mais de 9.000 pessoas em Almada.

O Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) vai investir 2,8 milhões de euros para a reabilitação e construção de 3.500 casas com rendas acessíveis em Almada. Estas habitações vão nascer em terrenos do próprio IHRU e estão previstas no Projeto Habitacional de Almada Poente.

O Conselho de Ministros refere, em comunicado, que “reconhece como de manifesto interesse público o projeto urbanístico denominado Projeto Habitacional de Almada Poente, a implementar em terrenos do IHRU, situados no Plano Integrado de Almada, com vista à disponibilização de oferta pública de habitação a custos acessíveis”.

Estes terrenos têm capacidade para 3.500 habitações e “permitirão alojar mais de 9.000 pessoas”, refere o documento. Uma vez que se trata de um “projeto de grande escala”, a sua implementação vai ser faseada, sendo que a primeira fase vai acontecer nos terrenos que correspondem à consolidação da malha urbana existente.

Para levar a cabo este projeto, o Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira um investimento de 2,8 milhões de euros por parte do IHRU, “com vista à realização dos projetos de edificação e de loteamento relativos à primeira fase de desenvolvimento”, do projeto.

O Plano de Urbanização de Almada Poente está protocolado entre o IHRU e a Câmara de Almada. Prevê a oferta de usos mistos, “encorajando a vertente terciária (comércio, serviços e equipamentos) em associação com a componente residencial”, refere a proposta do modelo de intervenção.

(Notícia atualizada às 14h16 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IHRU vai investir 2,8 milhões para disponibilizar 3.500 casas com rendas acessíveis em Almada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião