Programa de Arrendamento Acessível já recebeu 1.413 candidaturas… para 35 imóveis

O programa de rendas acessíveis do Governo, que entrou em vigor a 1 de julho, já recebeu mais de 1.400 candidaturas. Do lado dos proprietários, há 35 imóveis inscritos na plataforma.

O Programa de Arrendamento Acessível (PAA), que arrancou a 1 de julho, já recebeu mais de 1.400 candidaturas, revelou esta terça-feira a secretária de Estado da Habitação. Já do lado dos proprietários, de quem não se esperava uma forte adesão, o número de imóveis inscritos na plataforma passou de oito no primeiro dia para 35 no espaço de mais de uma semana.

Até ao final do dia desta segunda-feira, a plataforma da renda acessível, que está disponível no Portal da Habitação, recebeu 21.831 visitas, das quais 3.823 acabaram por se registar. Mas os realmente interessados contribuíram para um total de 1.413 candidaturas, um número que aumentou significativamente face às 191 registadas no primeiro dia do programa.

O mesmo não aconteceu com os proprietários que, embora possam ter acesso a benefícios fiscais como isenções de IRS, não registaram uma evolução tão significativa. Em oito dias, o número de imóveis inscritos na plataforma passou de oito para 35.

Este fraco interesse por parte dos senhorios já tinha sido antecipado por António Frias Marques, presidente da Associação Nacional de Proprietários, que, em declarações ao ECO, referiu que o programa “não vai ter o mínimo sucesso“. “O arrendatário tem de contar a vida toda desde pequenino, e o senhorio também tem de se comprometer. O senhorio tem de arranjar um secretário ou um gabinete de apoio para preencher toda a papelada e tem de se sujeitar aos preços que eles inventam”, disse, criticando todos os documentos que os senhorios têm de submeter para se candidatarem.

Mas, apesar de o número de interessados ter sido maior, também Romão Lavadinho, presidente da Associação de Inquilinos Lisbonense, condenou esta iniciativa ao fracasso. “Consideramos que esta lei é positiva, mas insuficiente. Porque os valores que vão ser cobrados são muito superiores e impossíveis de pagar pela classe média com rendimentos baixos”, explicou o responsável.

O PAA entrou em vigor a 1 de julho e promete rendas 20% inferiores às praticadas pelo mercado. A plataforma para as candidaturas já está disponível e, para os interessados, há um simulador que permite avaliar se os inquilinos e proprietários reúnem as condições necessárias para participar nesse programa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Programa de Arrendamento Acessível já recebeu 1.413 candidaturas… para 35 imóveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião