Turismo tem dois novos programas de aceleração

  • Ricardo Vieira
  • 22 Julho 2019

Tourism UP vai apoiar startups e Taste Up procura projetos na área da gastronomia e do enoturismo.

O Turismo de Portugal e a consultora Territórios Criativos lançaram dois novos programas de aceleração para projetos do setor do turismo, da gastronomia e do enoturismo.

O Tourism UP, que tem o apoio da rede global de empreendedorismo, GEN Portugal, vai apoiar startups ligadas ao Turismo no desenvolvimento de negócios, potenciando a inovação e a criação de redes empreendedoras. Já o Taste Up, promovido também com a ajuda da Associação Portuguesa de Turismo de Culinária e Economia, foi desenhado para apoiar, através de formação e mentoria, projetos de empreendedorismo na área do Turismo Gastronómico e Enoturismo, cujo objetivo é aliar a tradição à inovação na gastronomia e trabalhar as tendências do futuro do turismo gastronómico, explorando e aplicando conceitos inovadores.

“Procuramos projetos diferenciadores e temos conseguido excelentes resultados, mas é preciso inovar no âmbito dos programas de empreendedorismo e por isso temos o Foster Innovation in Tourism. Em 2019, temos 18 programas de aceleração a correr em todo o país, havendo um esforço orçamental em cerca de 1,2 milhões de euros e mais de 359 startups em todo o território”, refere Carlos Abade, vogal do conselho diretivo do Turismo de Portugal.

Os dois programas foram apresentados em Palmela, onde o Presidente da Câmara, Álvaro Amaro, afirmou que o município procura “projetos diferenciadores e inovadores, pelo que receber estes programas é fundamental e estratégico”.

As candidaturas para o Tourism Up e do Taste Up decorrem entre julho a dezembro de 2019, com os bootcamps de aceleração agendados para novembro. Os três vencedores – a final é em dezembro – recebem 5 mil, mil e 500 euros respetivamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo tem dois novos programas de aceleração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião