Bancários avançam para a greve. Querem aumentos nos salários

Bancários preparam-se para protesto devido à intransigência dos bancos na revisão das condições salariais. Sindicatos já aprovaram utilização do fundo de greve para compensar associados.

Os sindicados bancários aprovaram a utilização do fundo de greve, que não é usado há 30 anos, para financiar o protesto dos trabalhadores no caso de os bancos continuarem “intransigentes” na revisão dos salários no setor.

Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB), Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) e Sindicato Independente da Banca (SIB) aprovaram a realização de uma greve, ainda sem data definida, “perante a recusa das instituições bancárias de aceitar as propostas de revisão do acordo coletivo de trabalho”. Também deram luz verde à utilização do fundo de greve para compensar os associados que adiram ao protesto.

“Este mandato de greve será apenas colocado em marcha caso as instituições de crédito se mantenham intransigentes no processo negocial de revisão para 2019 do acordo coletivo de trabalho do setor bancário, nomeadamente no que se refere à atualização das retribuições e das pensões, com efeitos retroativos, pelo menos, a janeiro de 2018”, diz um comunicado conjunto dos três sindicatos.

O SNQTB, SBN e SIB defendem que apresentaram “propostas razoáveis e justas de atualização de salários, pensões e demais cláusulas pecuniárias, às quais os bancos se opõem”. Num comunicado anterior, os três sindicatos revelaram que as instituições de crédito “só admitem aumentos de 0,75% para 2019”, face a um aumento de 2,2% proposto.

Esta decisão é anunciada na véspera de nova reunião negocial com os bancos, onde os sindicatos esperam “obter avanços decisivos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancários avançam para a greve. Querem aumentos nos salários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião