Prémios de seguro ultrapassam os 5 trilhões de dólares

  • ECO Seguros
  • 28 Julho 2019

Os prémios de seguro a nível global superaram os 5 milhões de milhões de dólares em 2018, registou o Swiss Re Institute no seu último relatório Sigma,. Este valor significa 6% do PIB mundial.

O relatório Sigma editado pelo Swiss Re Institute indicam que o volume de prémios emitidos em 2018 em todo o mundo superou 5 biliões de dólares.

Os principais apontamentos deste relatório conferem uma visão otimista à indústria, exceto no que respeita ao baixo nível de taxas de juro nos mercados desenvolvidos que tornam difícil a rentabilidade de investimento seguros.

O Swiss Re destaca 6 grandes conclusões do estudo:

  • Os prémios de seguro globais superaram os 5 biliões (milhões de milhões) de dólares pela primeira vez no ano de 2018, com um crescimento sólido em não-vida e um desempenho moderado em vida.
  • Os prémios de vida e não-vida crescerão cerca de 3% em termos reais em 2019/20, com base na força dos mercados emergentes em ambos os setores, além de um crescimento sólido nos mercados avançados de não-vida.
  • Nos mercados avançados, os negócios de poupança de seguro de vida tradicional continuam desafiadores devido às baixas taxas de juros.
  • Nos setores de não-vida, a evolução contínua dos sistemas avançados de assistência ao condutor provavelmente pressionará os prémios do ramo automóvel no longo prazo.
  • Os Estados Unidos continuam sendo o maior mercado de seguros, seguidos pela China e Japão e prossegue a mudança contínua nos negócios de seguro no Oriente.
  • Até 2029, a região Ásia-Pacífico será responsável por 42% dos prémios globais. A previsão é de que a participação da China seja de 20%, e o país está em curso de se tornar o maior mercado de seguros em meados da década de 2030.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prémios de seguro ultrapassam os 5 trilhões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião