Bruxelas dá luz verde a ajuda estatal de 12 milhões de euros à portuguesa Navigator

  • Lusa
  • 31 Julho 2019

O apoio de Portugal à Navigator destina-se ao investimento na construção do complexo industrial da empresa em Cacia, em Aveiro.

A Comissão Europeia aprovou esta quarta-feira uma ajuda estatal de Portugal no valor de 12 milhões de euros à empresa de produção de papel Navigator, relativamente ao investimento de 114 milhões feito no complexo industrial de Cacia, em Aveiro.

Em comunicado, o executivo comunitário dá conta da ‘luz verde’, justificando que “o auxílio de Portugal ao investimento, em 12 milhões de euros, para a Navigator Tissue Cacia S.A., está em conformidade com as regras da União Europeia [UE] em questão de ajudas estatais”.

“A Comissão entende que, sem o financiamento público, o projeto não teria sido realizado em Portugal ou em qualquer outro país da UE, uma vez que não teria sido economicamente viável. Além disso, o auxílio [estatal] é limitado ao mínimo necessário para tornar o projeto suficientemente rentável para a empresa realizar o investimento”, argumenta Bruxelas.

Acresce que, para o executivo comunitário, “os efeitos positivos do projeto no desenvolvimento regional são superiores a qualquer possível impacto na concorrência provocado pela ajuda estatal”.

Em causa está o investimento de cerca de 114 milhões de euros para construção do complexo industrial da Navigator em Cacia, dedicado à produção de papel ‘tissue’ (como papel higiénico, lenços e guardanapos), implicando a criação de pelo menos 133 empregos diretos.

A Comissão Europeia observa ainda que a zona geográfica do projeto, a freguesia de Cacia, é “elegível para auxílios regionais”, o que também fundamentou a decisão. Estas ajudas estatais estão enquadradas no financiamento comunitário para fins regionais, no âmbito do qual os Estados-membros podem apoiar o desenvolvimento económico e o emprego nas regiões menos desenvolvidas da UE, promovendo ainda a coesão regional.

No ano passado, a Navigator teve um resultado líquido de 225 milhões de euros, uma subida de 8% face ao período homólogo. Já no primeiro semestre deste ano, os lucros da companhia portuguesa caíram 20,5% para 94,9 milhões de euros.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas dá luz verde a ajuda estatal de 12 milhões de euros à portuguesa Navigator

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião