BRANDS' ECOSEGUROS A proteção e o bem-estar dos colaboradores são fundamentais para a competitividade de uma empresa

  • ECOseguros + TRANQUILIDADE
  • 1 Agosto 2019

Os benefícios sociais para os colaboradores são um importante instrumento de gestão e de motivação nas empresas, para além de terem um papel de caráter social relevante.

Num mercado onde a concorrência é elevada, proporcionar benefícios sociais (employee benefits) aos trabalhadores é um importante instrumento de gestão, recrutamento e fidelização dos mesmos. Os seguros para colaboradores funcionam assim como um complemento ao seu ordenado, traduzindo-se num forte fator motivacional e social na empresa.

A atribuição de regalias extra como um seguro de saúde, por exemplo, pode ser um fator determinante nas empresas para a captação e retenção dos bons talentos.

Como funcionam?

Orientados para a proteção da vida e da saúde do colaborador, os produtos de Employee Benefits vão muito além da proteção obrigatória do seguro de acidentes de trabalho e podem ser extensíveis ao seu agregado familiar.

A atribuição destes Employee Benefits é uma forma económica e fiscalmente eficaz de motivar os colaboradores, pois com um custo contido e variável no tempo permite à empresa conceder benefícios com um valor real e percebido elevado.

Estes benefícios estão isentos de taxa social única para ambos (empresa e trabalhador) e, ainda, são considerados um custo da empresa, reduzindo o lucro tributável. Para usufruir desta vantagem, a empresa terá de cumprir os pressupostos definidos no artigo 43º do código do IRC: atribuição segundo um critério objetivo e idêntico, para a generalidade dos trabalhadores e, simultaneamente, o seu custo não exceder 15% da massa salarial.

Quais os seguros?

Com os seguros de Employee Benefits abre-se um mundo de oportunidades junto das empresas, sendo várias as regalias adicionais que podem proporcionar aos seus colaboradores.

Um dos mais valorizados pelos trabalhadores é o seguro de Saúde, que oferece a cobertura de despesas de hospitalização, usualmente as mais inesperadas e elevadas, assim como coberturas complementares, as mais utilizadas e apreciadas, que garantem um acesso mais rápido ao tratamento a um custo muito acessível: consultas (clínica geral e especialidade), análises e exames de diagnóstico, consultas de estomatologia, próteses e ortóteses (óculos), medicamentos e assistência às pessoas.

Com uma oferta muito ágil e abrangente, destaca-se o seguro AdvanceCare Saúde Empresas da Tranquilidade. Com capitais até 500.000€, salienta-se ainda o facto de o colaborador poder utilizar o capital de hospitalização para as despesas do foro oncológico, sem sub-limite.

O seguro de Vida é outro dos benefícios com que se pode complementar o pacote remuneratório dos trabalhadores. Salvaguarda as situações de invalidez e/ou doenças graves que possam surgir no seu dia a dia e assegura a proteção da sua família, garantindo-lhe um capital em caso de morte, muito importante no período de reajustamento familiar. Para situações mais específicas, destaca-se o seguro Vida Mais Vencer da Tranquilidade, que oferece proteção financeira e apoio na prevenção em caso de doenças oncológicas, com total flexibilidade na utilização do capital. Adicionalmente, a pensar naqueles que hoje se deslocam ao estrangeiro, a Tranquilidade dispõe também de um produto, que associa a proteção de um seguro de vida à segurança da assistência em viagem.

Já o seguro de Acidentes Pessoais garante ao colaborador uma indemnização em caso de invalidez provocada por acidente ocorrido durante as 24h do seu dia, bem como um apoio financeiro à família em caso de morte. A juntar a estas garantias, na Tranquilidade é ainda possível contratar o módulo de desporto.

Vantagens para a empresa:

  • Contribui para a responsabilidade social corporativa
  • Concede benefícios sociais em complemento à política salarial e ajuda na captação, fidelização e motivação dos trabalhadores
  • Complementa a proteção do colaborador com outros seguros para além do acidentes de trabalho
  • Reduz o absentismo, proporcionando aos seus colaboradores cuidados médicos de qualidade, com um baixo custo
  • A abrangência destes seguros pode ser determinada livremente, controlando assim, com total flexibilidade, o investimento a realizar

Vantagens para os colaboradores:

  • Recebem um benefício adicional à sua remuneração, não sujeito ao pagamento da taxa social única (pressupostos conforme artigo 43º do código do IRC)
  • Têm um pacote remuneratório mais eficaz em termos fiscais
  • Asseguram uma maior proteção para si próprio e para a sua família, garantindo eventuais situações de morte ou invalidez
  • Garantem despesas médicas imprevistas, como as relativas a uma intervenção cirúrgica, uma hospitalização prolongada ou uma doença grave
  • Podem incluir no seu seguro de saúde o seu agregado familiar, com preços mais vantajosos

Equipas especializadas em Employee Benefits

É importante que a seguradora que escolham disponha de especialistas nesta área para avaliarem a situação de cada empresa e aconselharem as melhores soluções de proteção. Exemplo disso mesmo é o que já acontece na Tranquilidade, em que a equipa especializada em Employee Benefits desenvolve, em conjunto com o mediador e a empresa, o plano mais adequado e vantajoso para os colaboradores.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A proteção e o bem-estar dos colaboradores são fundamentais para a competitividade de uma empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião