BRANDS' ECOSEGUROS A proteção e o bem-estar dos colaboradores são fundamentais para a competitividade de uma empresa

  • ECOseguros + TRANQUILIDADE
  • 1 Agosto 2019

Os benefícios sociais para os colaboradores são um importante instrumento de gestão e de motivação nas empresas, para além de terem um papel de caráter social relevante.

Num mercado onde a concorrência é elevada, proporcionar benefícios sociais (employee benefits) aos trabalhadores é um importante instrumento de gestão, recrutamento e fidelização dos mesmos. Os seguros para colaboradores funcionam assim como um complemento ao seu ordenado, traduzindo-se num forte fator motivacional e social na empresa.

A atribuição de regalias extra como um seguro de saúde, por exemplo, pode ser um fator determinante nas empresas para a captação e retenção dos bons talentos.

Como funcionam?

Orientados para a proteção da vida e da saúde do colaborador, os produtos de Employee Benefits vão muito além da proteção obrigatória do seguro de acidentes de trabalho e podem ser extensíveis ao seu agregado familiar.

A atribuição destes Employee Benefits é uma forma económica e fiscalmente eficaz de motivar os colaboradores, pois com um custo contido e variável no tempo permite à empresa conceder benefícios com um valor real e percebido elevado.

Estes benefícios estão isentos de taxa social única para ambos (empresa e trabalhador) e, ainda, são considerados um custo da empresa, reduzindo o lucro tributável. Para usufruir desta vantagem, a empresa terá de cumprir os pressupostos definidos no artigo 43º do código do IRC: atribuição segundo um critério objetivo e idêntico, para a generalidade dos trabalhadores e, simultaneamente, o seu custo não exceder 15% da massa salarial.

Quais os seguros?

Com os seguros de Employee Benefits abre-se um mundo de oportunidades junto das empresas, sendo várias as regalias adicionais que podem proporcionar aos seus colaboradores.

Um dos mais valorizados pelos trabalhadores é o seguro de Saúde, que oferece a cobertura de despesas de hospitalização, usualmente as mais inesperadas e elevadas, assim como coberturas complementares, as mais utilizadas e apreciadas, que garantem um acesso mais rápido ao tratamento a um custo muito acessível: consultas (clínica geral e especialidade), análises e exames de diagnóstico, consultas de estomatologia, próteses e ortóteses (óculos), medicamentos e assistência às pessoas.

Com uma oferta muito ágil e abrangente, destaca-se o seguro AdvanceCare Saúde Empresas da Tranquilidade. Com capitais até 500.000€, salienta-se ainda o facto de o colaborador poder utilizar o capital de hospitalização para as despesas do foro oncológico, sem sub-limite.

O seguro de Vida é outro dos benefícios com que se pode complementar o pacote remuneratório dos trabalhadores. Salvaguarda as situações de invalidez e/ou doenças graves que possam surgir no seu dia a dia e assegura a proteção da sua família, garantindo-lhe um capital em caso de morte, muito importante no período de reajustamento familiar. Para situações mais específicas, destaca-se o seguro Vida Mais Vencer da Tranquilidade, que oferece proteção financeira e apoio na prevenção em caso de doenças oncológicas, com total flexibilidade na utilização do capital. Adicionalmente, a pensar naqueles que hoje se deslocam ao estrangeiro, a Tranquilidade dispõe também de um produto, que associa a proteção de um seguro de vida à segurança da assistência em viagem.

Já o seguro de Acidentes Pessoais garante ao colaborador uma indemnização em caso de invalidez provocada por acidente ocorrido durante as 24h do seu dia, bem como um apoio financeiro à família em caso de morte. A juntar a estas garantias, na Tranquilidade é ainda possível contratar o módulo de desporto.

Vantagens para a empresa:

  • Contribui para a responsabilidade social corporativa
  • Concede benefícios sociais em complemento à política salarial e ajuda na captação, fidelização e motivação dos trabalhadores
  • Complementa a proteção do colaborador com outros seguros para além do acidentes de trabalho
  • Reduz o absentismo, proporcionando aos seus colaboradores cuidados médicos de qualidade, com um baixo custo
  • A abrangência destes seguros pode ser determinada livremente, controlando assim, com total flexibilidade, o investimento a realizar

Vantagens para os colaboradores:

  • Recebem um benefício adicional à sua remuneração, não sujeito ao pagamento da taxa social única (pressupostos conforme artigo 43º do código do IRC)
  • Têm um pacote remuneratório mais eficaz em termos fiscais
  • Asseguram uma maior proteção para si próprio e para a sua família, garantindo eventuais situações de morte ou invalidez
  • Garantem despesas médicas imprevistas, como as relativas a uma intervenção cirúrgica, uma hospitalização prolongada ou uma doença grave
  • Podem incluir no seu seguro de saúde o seu agregado familiar, com preços mais vantajosos

Equipas especializadas em Employee Benefits

É importante que a seguradora que escolham disponha de especialistas nesta área para avaliarem a situação de cada empresa e aconselharem as melhores soluções de proteção. Exemplo disso mesmo é o que já acontece na Tranquilidade, em que a equipa especializada em Employee Benefits desenvolve, em conjunto com o mediador e a empresa, o plano mais adequado e vantajoso para os colaboradores.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A proteção e o bem-estar dos colaboradores são fundamentais para a competitividade de uma empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião