Governo vê famílias a pagar taxa de subsolo do gás

  • ECO
  • 13 Agosto 2019

A proposta de lei do Governo prevê que as empresas que comercializam e distribuem gás reflitam na fatura do consumidor final a taxa de ocupação do subsolo.

O Executivo de António Costa preparou uma proposta de lei que permite que as empresas que comercializam e distribuem gás façam repercutir nas faturas mensais das famílias portuguesas o valor das taxas de ocupação do subsolo (TOS) cobradas pelos municípios, avança o Jornal de Negócios (acesso pago), esta segunda-feira.

De acordo com o diploma enviado à Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e à Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), as autarquias passam, por outro lado, a ver delimitados por valores máximos e mínimos os montantes que cobram às empresas referidas, de acordo nomeadamente com o comprimento das condutas usadas.

Esta é a resposta do Governo à polémica que tem marcado o setor, desde 2017. A TOS foi criada em 2006 para permitir às câmaras cobrar às operadoras pelo uso dos terrenos (públicos ou privados) por onde passam estas redes, tendo sido também autorizado que as comercializadoras refletissem esse custo na fatura do consumidor. Em 2017, o Executivo de António fechou, contudo, essa porta, impedindo essa repercussão. Sem ter procedido à necessária regulamentação, o Governo viu, no entanto, a nova lei a não ser acatada com as empresas a invocar contratos já firmados.

No Orçamento do Estado para 2019, o Governo prometeu preencher esse vazio, o que acontece agora com o diploma referido. De acordo com a proposta do Executivo, passa a ser prerrogativa dos operadores das redes de distribuição de gás a repercussão da TOS no consumidor final, isto é, as empresas são os sujeitos passivos da taxa, mas é-lhes dada a possibilidade de refletirem esse montante na fatura dos consumidores.

Fonte da Secretaria de Estado das Autarquias Locais salienta, contudo, este ainda é um “documento de trabalho”, tendo recusado comentar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vê famílias a pagar taxa de subsolo do gás

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião