Viciado no trabalho? Obsessão pelo sucesso pode levar a comportamentos extremos

Arie Kruglanski, especialista em comportamento social, acredita que terroristas, mártires e "workaholics" têm traços psicológicos comuns. A negação da vida pessoal é um deles.

A palavra “extremista” não é aplicada só a terroristas ou mártires. Segundo o psicólogo polaco especialista em comportamento social, Arie Kruglanski, os perfis psicológicos podem ser muito semelhantes aos de alguém viciado no trabalho, os designados workaholics. Citado pelo Business Insider, Arie Kruglanski, explica que é possível identificar traços psicológicos comuns nas pessoas que sentem que devem sacrificar-se por algo exterior.

“O trabalho humanitário da Madre Teresa, por exemplo, representa uma negação da vida pessoal que poucas pessoas enfrentam, e isso transforma-o em ato extremo”, metaforiza o especialista. Para Kruglanski, alguém que coloca bombas ao peito, dedica a vida aos outros ou dorme debaixo da secretária do trabalho, tem um perfil psicológico muito semelhante. No fundo, todos estes comportamentos são considerados extremos.

Para Kruglanski, os comportamentos extremistas têm origem na busca de “significado pessoal”, ou na obrigação profunda do indivíduo para com os seus pares e a sociedade. Em qualquer um destes casos, o indivíduo tem necessidade de “controlar totalmente a situação”, por isso rejeita prazeres como o conforto, a família ou o amor. Estes comportamentos podem ainda ter origem em traumas ou memórias de rejeição, abuso ou ostracização.

Estamos obcecados com o trabalho por causa da satisfação que obtemos através dos elogios, não propriamente pela satisfação profunda de trabalhar longas horas.

Leslie Perlow

Professora da Universidade de Harvard,

Quem tem comportamentos extremistas tem uma atração por sensações, e faz escolhas diferentes da maioria das pessoas. Os desportos radicais como o bungee jumping, por exemplo, são um simples exemplo de uma atividade onde é possível que arrisque mais a vida. Por mais altruísta que considere ser, quando visualiza a linha da frente da batalha, é provável que o instinto de sobrevivência fale mais alto.

E este tipo de comportamento extremo é comparável ao vício no trabalho. Chegar ao topo da sua empresa o mais rápido possível pode parecer tentador, mas também é importante preservar a sua vida pessoal, desenvolver relações pessoais, cuidar do seu corpo e da sua saúde. Para o especialista polaco, os workaholics vivem um “esquecimento”, quase inconsciente, destas necessidades.

No livro Sleeping With Your Smartphone, a professora da Universidade de Harvard, Leslie Perlow, defende que muitos trabalhadores são “successaholics e não workaholics”. O excesso de trabalho, a obsessão pelo sucesso e a posição social, o status, podem levar as pessoas a ter comportamentos considerados extremistas. “Estamos obcecados com o trabalho por causa da satisfação que obtemos através dos elogios, não propriamente pela satisfação profunda de trabalhar longas horas”, reforça.

A solução, defende Kruglanski, passa por desenvolver o desapego e acreditar que a carreira profissional deve servir o trabalhador, e não o contrário. “Tem direito a uma vida, e não a ser escravizado”, remata Kruglanski.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Viciado no trabalho? Obsessão pelo sucesso pode levar a comportamentos extremos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião