Eles vão de férias, a empresa paga

Melhoram o empenho, a motivação e a produtividade. E eles agradecem as recompensas. Podem ser umas férias noutro país, uma viagem de autocaravana por Portugal ou até uma licença sabática.

Desde o início de junho que, à porta da Crioestaminal, está uma autocaravana estacionada. O veículo foi comprado pela empresa de células estaminais e vai ser utilizado pelos colaboradores que queiram passar umas férias percorrendo o país de autocaravana, com a família ou os amigos.

A lista de regalias é longa. Há empresas que já oferecem cheques para a creche dos filhos dos colaboradores, outras que disponibilizam ginásio e massagens dentro do local de trabalho e, depois, há também as que vão mais longe: empresas que pagam as férias aos seus colaboradores. Seja através de licenças sabáticas, de prémios destinados a viagens ou – imagine só — pondo ao seu dispor uma autocaravana. Tudo isto para recompensar os colaboradores, deixá-los mais motivados, felizes e empenhados no trabalho. A produtividade sai, normalmente, reforçada.

A autocaravana da Crioestaminal fará a primeira viagem já no dia 1 de julho e vai ter um verão preenchido. “Ainda só cerca de um terço dos colaboradores fizeram a sua marcação. Estamos a fazer as marcações por antiguidade, ou seja, os colaboradores mais antigos são os primeiros a marcar as suas férias na autocaravana”, explica Alexandra Mendes, diretora de recursos humanos da Crioestaminal, acrescentando que a iniciativa tem recebido um feedback muito positivo.

Há empresas que pagam as férias aos seus trabalhadores.Louise Farias

Para já, as viagens na autocaravana têm o período máximo de uma semana mas o objetivo é que, ao longo do ano, os colaboradores da empresas possam ir fazendo férias ou apenas passar um fim de semana neste veículo. Tudo isto por “um preço simbólico” e com uma única condição: “tirar uma fotografia junto à autocaravana e com a bandeira da Crioestaminal”. As fotografias vão ser, depois, afixadas numa parede que vai, daqui para a frente, registar todos os locais onde a autocaravana já esteve estacionada. Uma espécie de “álbum” público colaborativo e disponível para todos.

“É um investimento no envolvimento dos colaboradores, que se traduz numa maior produtividade e disponibilidade sempre que é necessário”, afirma Alexandra Mendes. Além disso, “a comunicação dentro da empresa [entre os colegas] sai sempre reforçada com este tipo de iniciativas”, que ainda pretendem melhorar a abertura ao exterior dos colaboradores.

A autocaravana está estacionada à porta da Crioestaminal.D.R.

Fora da empresa, mas a receber o ordenado do costume

Também a Farfetch está empenhada em potenciar o bem-estar dos seus colaboradores. A empresa tecnológica focada na indústria da moda de luxo quer ver os trabalhadores cumprirem os seus propósitos de vida. Para isso, lançou recentemente o Boomerang, um programa que permite tirar uma licença sabática e continuar a receber o habitual vencimento.

“Podemos ir oito semanas pagas pela empresa”, explica Luís Teixeira, general manager da Farfetch em Portugal, acrescentando que a única condição é que o colaborador já trabalhe na empresa há mais de cinco anos. O objetivo é “garantir que as pessoas cumprem os seus propósitos de vida, sejam eles ir fazer voluntariado, estudar, viajar ou simplesmente fazer uma pausa neste ritmo frenético”, continua.

Já a Randstad Portugal, depois de verificar que fazer voluntariado internacional era um interesse de vários colaboradores, decidiu facilitar-lhes a vida. No ano passado, a empresa de recrutamento enviou a primeira colaboradora para a Tanzânia, onde esteve durante quatro meses a ajudar microempresas a iniciarem as suas atividades.

“O que fizemos foi facilitar-lhe a saída, mantendo a sua remuneração. Assim, pôde dedicar-se exclusivamente a uma causa que, certamente, será inesquecível”, conta José Miguel Leonardo, CEO da Randstad Portugal. “É incrível ver a alegria e a felicidade das pessoas que têm este tipo de experiências”, acrescenta.

No fundo, foi uma espécie de Gap Year, embora de menor duração e proporcionado pela própria empresa, que a colaboradora não teve de abandonar. O “teste” correu tão bem que o CEO da Randstad diz que, agora, até já há fila de colaboradores interessados.

Conhecer o mundo “à conta” da empresa

Desde 2017 que a Crioestaminal atribui um prémio aos funcionários para fazerem uma viagem. O montante, que é determinado pelo desempenho e competências dos trabalhadores, bem como pelos resultados da empresa, pode alcançar o valor máximo de um ordenado. A única exigência é que os colaboradores utilizem o prémio para viajar fora de Portugal Continental. “Queremos que eles saiam da sua zona de conforto”, diz Alexandra Mendes.

Mais do que o salário

Para José Miguel Leonardo, estes programas, além de motivarem os colaboradores, ajudam a atrair talento. “O salário é um fator higiénico, é algo que não pode representar um problema, mas aquilo que faz a diferença são outros fatores”, começando, desde logo, por este tipo de iniciativas, que torna possível conciliar a vida profissional e aquilo que são as aspirações e desejos pessoais.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Eles vão de férias, a empresa paga

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião