Portugueses tencionam gastar 1.350 euros nas férias de verão

  • ECO
  • 11 Julho 2019

Estudo Observador Férias 2019 revelou que os portugueses pretendem gastar, em média, 538 euros caso fiquem nas férias em casa. Se rumarem ao estrangeiro, as intenções de gastos rondam os 1.903 euros.

Muitos portugueses já foram ou preparam-se para ir de férias. E no que diz respeito a gastos, a expectativa aponta para que estejam dispostos a despender, em média, 1.350 euros com esta pausa de descanso no verão, revela o estudo Observador Férias 2019 do Cetelem. Mas o custo varia substancialmente consoante a opção de férias seja “cá dentro” ou “lá fora”.

Aqueles que optem por ficar em casa, ponderam gastar 538 euros, em média, como revelam as conclusões deste estudo que incidiu sobre um universo de 600 inquiridos residentes em Portugal. “Ir de férias cá dentro” já acarreta uma perspetiva de gastos a rondar os 1.142 euros. Já quem está a ponderar ir mais longe e rumar ao estrangeiro, as suas intenções de despesas são ainda mais elevadas: rondam uma média de 1.903 euros.

E quem está disposto a “abrir mais os cordões à bolsa” são os portugueses com idade entre 35 e 44 anos. Em média, estimam realizar uma despesa média de 1.615 euros, aponta o estudo que perspetiva as intenções de gastos com as férias no período entre os meses de julho e agosto.

No que respeita à categorização de despesas, 47% dos inquiridos referem que terão despesas relacionadas com deslocação, sendo a média de 291 euros.

Pouco mais de um terço dos inquiridos (35%) vão optar pelo regime de tudo incluído, tencionando gastar em média dois mil euros. Já 23% vão optar por estadias só com dormida ou dormida e pequeno-almoço, gastando em média 588 euros com a estadia. Apenas 5% optam por estadias de meia pensão ou pensão completa, gastando em média 929 euros.

Já para atividades de lazer, 24% pretendem gastar 189 euros, enquanto as compras e presentes têm uma estimativa de gastos de 166 euros apontada por 22% dos inquiridos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses tencionam gastar 1.350 euros nas férias de verão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião